Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

A Terapia Manual se tornou um importante componente na intervenção de doenças ortopédicas e neurológicas. Os primeiros documentos sobre terapia com as mãos foram encontrados na China Antiga e em escritos que constam em paredes do Egito com cerca de 15 mil anos e serviram de base para o desenvolvimento da grande maioria das técnicas atuais. Esta técnica, definida como uma subespecialidade da fisioterapia traumato-ortopédica, está se tornando cada vez mais popular com resultados bastante positivos.

Quer conhecer mais sobre esta excelente ferramenta da fisioterapia? Então leia este texto até o final e saiba tudo sobre a técnica!

O que é a Terapia Manual?

A Terapia Manual é uma das ferramentas da fisioterapia que consiste na aplicação de técnicas com as mãos sobre o corpo do paciente, com o objetivo de promover o retorno da função normal dos seus sistemas. Todas as pessoas podem se beneficiar das técnicas que a Terapia Manual oferece e não precisa estar doente ou com alguma disfunção para solicitar o atendimento de um fisioterapeuta que trabalha com esta ferramenta.

Várias abordagens ou técnicas da Terapia Manual evoluíram com o passar dos anos e são muito aplicadas, para o trabalho de condições clínicas neuromusculoesqueléticas, englobando articulações, músculos, fáscia e sistema nervoso periférico. As modalidades que um terapeuta manual utiliza em seus atendimentos são: mobilização articular, manobras miofasciais, manobras neuro meníngeas, cadeias musculares, terapia crânio-sacral  e terapias viscerais.

Para entendermos como funciona e quais objetivos alcançados através da Terapia Manual, precisamos saber que a base da especialidade é o conhecimento da anatomia, principalmente a anatomia musculoesquelética.

Anatomia funcional do sistema musculoesquelético e da coluna vertebral

A visão da totalidade e globalidade, deve existir na visão de um fisioterapeuta. Entender que todos os sistemas (musculoesquelético, nervoso, endócrino) atuam juntos e são inseparáveis, facilita o entendimento clínico na aplicação das técnicas com resultados positivos.

A coluna vertebral é uma coluna segmentada que forma o esqueleto axial, juntamente com a caixa torácica e crânio, agindo como uma haste elástica modificada que proporciona suporte rígido e flexibilidade. É composta por 33 vértebras, sendo 24 delas móveis que contribuem para o movimento do tronco e suas quatro curvaturas facilitam o suporte da coluna, oferecendo uma resposta a carga semelhante a de uma mola. O tronco é o maior segmento do corpo, tem um papel essencial na função dos membros superiores e inferiores, já que seu posicionamento pode alterar significativamente a função dos membros. Suas funções básicas são:

  • Mobilidade;
  • Cinética;
  • Proteção dos elementos nervosos.

Os ossos, por sua vez, são interligados por articulações que são consideradas estruturas da unidade funcional da coluna. O segmento móvel da coluna pode ser dividido em:

  • Parte anterior: constituído pelos corpos vertebrais, disco intervertebral, ligamentos longitudinais anterior e posterior. Tem o suporte como função principal;
  • Parte posterior: constituído pelos arcos neurais, articulações intervertebrais, processos transversos e espinhosos e o ligamento amarelo, ligamentos supra espinhoso, infra espinhoso e intertransverso. Tem como função principal a estrutura dinâmica. 

Disco intervertebral

Ajuda a formar uma ligação fibrocartilaginosa entre dois corpos vertebrais consecutivos e seu tamanho varia nos diversos tipos de segmento vertebral. Estruturas que determinam as curvaturas espinhais e possuem uma altura que diminuem de frente para trás e de cima para baixo. Constituído de duas partes – parte central com o núcleo pulposo e a parte periférica com o anel fibroso e inervações. Possuem funções como:

  • Amortecedor;
  • Distribuição e absorção da carga imposta sobre a coluna;
  • Manutenção das vértebras unidas;
  • Limitação dos movimentos da coluna.

Os músculos trabalham juntos em grupos para movimentar nossos ossos, podendo ter ação principal (agonista), contra-balanceadores para fazer com o que o movimento tenha início (antagonista) e ainda, função de estabilizar e auxiliar (sinergistas).

Objetivos e benefícios da Terapia Manual para o paciente

Após uma avaliação cinesiofuncional, o fisioterapeuta terá informações necessárias para identificar e corrigir as possíveis disfunções de movimento que podem estar relacionadas às articulações da coluna vertebral, membros superiores e membros inferiores. Através de cada técnica ou combinação de técnicas específicas para cada queixa, proporcionará ao paciente:

  • Redução de dores musculares e articulares;
  • Diminuição das tensões;
  • Lubrificação intra-articular;
  • Aumento da flexibilidade dos tecidos conectivos (músculos, cápsulas, ligamentos, tendões);
  • Prevenção contra bloqueios intra-articulares;
  • Melhora no funcionamento visceral e neural.

Qual a área de atuação do profissional? Onde atuar?

A Terapia Manual pode ser aplicada nas mais diversas áreas da fisioterapia. Baseado nos objetivos e queixas do paciente, aliados a uma boa avaliação, o fisioterapeuta poderá aplicar as diversas técnicas em sua área de atuação como:

  • Fisioterapia dermato-funcional, atuando em pré, pós-operatório e estética;
  • Fisioterapia traumato-ortopédica;
  • Fisioterapia desportiva;
  • Fisioterapia neurofuncional

E outros…

Quais são as técnicas da Terapia Manual?

A Terapia Manual tem um importante papel na intervenção de disfunções e doenças, principalmente ortopédicas e neurológicas. Os primeiros documentos sobre terapia com as mãos foram encontrados na China Antiga e escritos que constam em paredes do Egito com cerca de 15 mil anos e serviram de base para o desenvolvimento da grande maioria das técnicas atuais. Conheça as principais:

Mobilização neural ou neurodinâmica

Técnica que consiste em colocar o neuroeixo em um posicionamento favorável à sua dinâmica, através do deslizamento do trajeto do nervo, aliviando pontos de tensão e compressão, diminuindo a dor e melhorando a função.

Conceito Maitland

É uma técnica de manipulação e mobilização articular, que pode ser realizada em qualquer articulação respeitando as direções, as amplitudes do movimento, a orientação das superfícies articulares e a individualidade anatômica de cada indivíduo. O grau da manipulação vai variar de acordo com cada fase que o paciente se encontra, mostrando alívio rápido das dores e melhora da função.  

Conceito Mulligan

Técnica empregada principalmente quando o paciente relata dor ao movimento. O objetivo principal é restaurar o alinhamento articular e normalizar o eixo de movimento. O fisioterapeuta emprega ajustes articulares combinados com movimentos ativos do paciente.

Quiropraxia

São técnicas globais manipulativas realizadas principalmente na coluna vertebral, com objetivo principal de alinhar estruturas ósseas e melhorar o fluxo e direcionamento do sistema nervoso.

Agulhamento a seco

Técnica que consiste na inserção de uma agulha filamentar sólida, com objetivo principal de melhorar a condição musculoesquelética- alívio das dores miofasciais, regeneração tecidual e recuperação de tecidos lesados.

Liberação miofascial

Técnica que consiste na aplicação de movimentos rítmicos e precisos nas fáscias e músculos com o objetivo de soltar áreas de tensão, melhorar a qualidade muscular e fascial, proporcionando alívio das dores e melhora da função.

Como ser um terapeuta manual?

Apesar de ser uma ferramenta da fisioterapia, durante a graduação, poucas  faculdades  abordam estas técnicas. Portanto, para ser um fisioterapeuta que trabalhe com TERAPIA MANUAL, é necessário, antes de tudo, ter habilidade com as mãos: desenvolver a sensibilidade ao toque, entender de anatomia e biomecânica funcional.

Existem faculdades que oferecem cursos de extensão e formação de cada uma das técnicas (Quiropraxia, Mulligan, Liberação miofascial manual e instrumental) e ainda cursos de Pós-Graduação, onde o aluno terá noção de cada uma das técnicas nas mais diversas situações e aplicações (Disfunção temporomandibular, Terapia craniana para tratamento de doenças neuro meníngeas).

Como é o mercado da Terapia Manual?

Para quem gosta de trabalhar com as mãos, o mercado para o terapeuta manual é muito promissor, principalmente na época que estamos vivendo de pandemia!

A vantagem é que, partindo de um raciocínio clínico e avaliação efetiva do seu paciente, o fisioterapeuta pode atender em qualquer lugar e com pouco! Atendimentos domiciliares foi o grande foco na fase do isolamento social e com o grande aumento de pessoas trabalhando em casa, a presença do profissional que entende de terapia manual torna-se cada vez mais essencial.

Quais outras modalidades e técnicas podem ser trabalhadas com a Terapia Manual?

É interessante o fisioterapeuta que trabalha com Terapia Manual, agregar o exercício físico como parte do tratamento do seu paciente. Modalidades como Pilates, musculação, treinamento funcional, ou ainda modalidades que o paciente sinta prazer e conforto em praticar são essenciais para a resolução positiva do quadro clínico do indivíduo.

Outras técnicas que podem ser utilizadas juntamente com a Terapia Manual que possuem resultados excelentes são a Reeducação Postural Global (RPG), o Isostretching e outras técnicas que englobam o tratamento postural e a visualização do paciente como um todo.

Conclusão

A Terapia Manual vem ganhando cada vez mais espaço dentro dos tratamentos da fisioterapia, visando ganhos funcionais. A visão da totalidade e globalidade torna-se cada vez mais evidente para resultados rápidos e duradouros. O fisioterapeuta que descobre o poder das suas mãos consegue diagnosticar, tratar e resolver qualquer tipo de doença.

Ao contrário do que muita gente pensa, a técnica vai muito além do que tratar problemas ortopédicos. Ela pode ser muito efetiva em circunstâncias que envolvem déficits do sistema nervoso central, visceral e patologias comuns como: lombalgias, cervicalgias, disfunções temporomandibulares, cefaléia e muito mais.

 

Referências

ARAÚJO, F.G.Técnicas de terapia manual: definições, conceitos e princípios básicos Uma revisão bibliográfica. Pós-graduação em Fisioterapia Traumato-ortopedia com ênfase em Terapia Manual – Faculdade Ávila.

NOGUEIRA, L.A.C. Neurofisiologia da terapia manual. Fisioterapia Brasil – Volume 9 – Número 6 – novembro/dezembro de 2008.

MAITLAND, GD. Princípios das técnicas. In: Maitland GD, editor. Maitland’s Vertebral Manipulation. 6nd ed. London: Butterworth Heinemann; 2001.

LOIOLA,G.M.L.V;PEDROSA, A. V. A; DA SILVA,B.B; MODESTO,E. de Sousa ;VASCONCELOS, T.B.SANTOS,F.D;BASTOS,V.P.D. Terapia manual em pacientes portadores de hérnia discal lombar: revisão sistemática. Ciência em Movimento | Reabilitação e Saúde | n. 38 | vol. 19 | 2017