Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Tanto no esporte amador, quanto no profissional, não há momento mais estressante para o atleta e para seu treinador do que o surgimento de uma lesão. Então, também por isso, dentro da área da reabilitação, a fisioterapia esportiva tem se tornado cada vez mais respeitável e mais aplicada. 

A reabilitação fisioterapêutica de lesões é importante pois atua em diversas frentes com objetivo principal de auxiliar o atleta (e seu treinador). Além disso, esta técnica auxilia a atingir o desempenho máximo do atleta dentro do esporte praticado. Sabe por que a fisioterapia esportiva e a preventiva são tão importantes? Vamos pensar: um dos princípios fundamentais do treinamento esportivo é o Princípio da continuidade/reversibilidade, que preconiza que “as modificações induzidas pelo treinamento são transitórias ou passageiras. Todas as características secundárias adquiridas por meio do treino, perdem-se e retornam aos limites iniciais pré-treinamento, após determinado período de inatividade”. 

Sendo assim, quando um atleta apresenta uma lesão, dependendo da gravidade, há a necessidade de redução do treinamento ou até mesmo a interrupção dele. Logo, isso irá acarretar um problema para o princípio da continuidade/reversibilidade do treinamento, não é mesmo? Dessa forma, conclui-se que, quanto mais lesões e mais graves as elas são, maior será a dificuldade do treinador e de seu atleta para atingir o desempenho máximo esportivo. Assim,  observa-se a importância da fisioterapia esportiva, seja ela no âmbito da reabilitação ou no âmbito da prevenção.

A fisioterapia esportiva hoje

Já foi-se o tempo em que a fisioterapia esportiva era apenas colocar gelo, TENS, exercícios passivos, etc. Cada vez mais essa área tem se firmado através da reabilitação e da prevenção das lesões utilizando da prática do exercício físico. É claro que ainda hoje usamos crioterapia, eletroterapia, massoterapia, terapias manuais, entre outras técnicas. Porém, a diferença é que, atualmente, os exercícios têm ganhado cada vez mais espaço na cartilha dos fisioterapeutas como carro-chefe no processo de reabilitação e prevenção.

Se o fisioterapeuta trabalha de forma reabilitativa ou preventiva com o atleta através da fisioterapia baseada em exercício físico (Pilates, Treinamento Funcional, Hidroterapia, etc.), é importante que o profissional siga alguns cuidados que irão fazer a diferença no decorrer do treinamento do atleta. Saiba que até mesmo na reabilitação o atleta pode se lesionar e, infelizmente, isso não é um evento raro. Portanto, para que isso não ocorra, principalmente se o profissional trabalha com exercícios mais extenuantes nas fases finais da reabilitação, é importante seguir alguns cuidados durante o planejamento das sessões. 

Cuidados necessários durante o planejamento do programa de exercícios

fisioterapia-esportiva-hoje

Assim como no treinamento esportivo, os treinamentos reabilitativos e preventivos precisam seguir uma série de princípios para que não se exceda a carga que o atleta está apto a suportar. Lembre-se que, muitas vezes, durante o processo de reabilitação, o paciente encontra-se ainda praticando seu esporte, mesmo que em menor intensidade. Além disso, o paciente tem que lidar com o trabalho ou lidar com a ansiedade de estar afastado de suas atividades rotineiras. A lesão sempre tem origem multifatorial.

A seguir, conheça alguns cuidados importantes para lembrar antes de iniciar um programa de treinamento reabilitativo/preventivo.

Aquecimento

O planejamento da sessão de exercícios deve conter o período de aquecimento. O aquecimento antes de qualquer atividade física (seja ela para treinamento ou para reabilitação) traz uma série de benefícios. Entretanto, o principal objetivo do aquecimento é preparar o corpo e a mente para atividades mais extenuantes. Portanto, isso se faz através do aumento da temperatura central do corpo gerando, concomitantemente, aumento da temperatura dos músculos. Logo, a elevação da temperatura muscular ajudará a soltar os músculos e a torná-los mais flexíveis.

Resfriamento do corpo (ou “volta à calma”)

O principal objetivo do resfriamento do corpo é promover a recuperação e devolver o corpo a um estado pré-exercício. Durante um treino extenuante, o corpo passa por vários processos estressantes; fibras musculares, tendões e ligamentos são danificados e resíduos se acumulam. Então o resfriamento, quando realizado de maneira adequada, ajudará o corpo nesse processo de “cura”. 

Já observaram situações em que o paciente sai da fisioterapia com “dores musculares”, como se tivesse treinado na academia? 

A dor muscular pós-exercício é causada por vários fatores. Porém, o importante é tentarmos evitar ao máximo que isso ocorra após as sessões de fisioterapia, pois, assim como no treinamento de performance, o paciente também precisa de continuidade (Princípio da continuidade/reversibilidade) e, dentro da fisioterapia esportiva, o profissional traça estratégias para progressão dos exercícios. Se o paciente retorna à próxima sessão de fisioterapia e apresenta dor muscular, provavelmente a estratégia programada pelo fisioterapeuta não poderá ser colocada em prática, pois o paciente terá dificuldades em realizar os exercícios e terá dificuldade de progressão de carga. 

Dessa forma, seria interessante o fisioterapeuta iniciar as sessões com exercícios de aquecimento e terminar com exercícios mais leves e calmos, como alongamentos, respiração, liberação miofascial, etc.

A importância da variação dos exercícios

No momento em que o fisioterapeuta programa o treinamento do paciente e monta as estratégias para alcançar os objetivos dele, o profissional também deve se preocupar com as variações dos exercícios empregados. Você sabe como a amplitude de exercícios abordados na reabilitação se relaciona com a prevenção de lesões?

Às vezes o fisioterapeuta projeta um programa de exercícios, porém “deixa” o paciente realizar apenas aqueles exercícios que ele gosta. Quantas vezes ouvimos frases como: “não gosto de fazer a prancha! Não gosto de abdominal! Não quero exercícios para perna!” e por aí vai.

O problema é que, muitas vezes, as pessoas tendem a encontrar um exercício que gostam e permanecer repetindo apenas este exercício. Porém, isso pode resultar, a longo prazo, em danos de esforço repetitivo para os mesmos grupos musculares e negligência, ou enfraquecimento, de outros grupos musculares. Portanto, este processo levará a um desequilíbrio do sistema muscular, que é uma receita infalível para lesões!

Overtrainning

overtrainning-para-atletas

Fisioterapeuta também tem que se preocupar com overtrainning. 

Há uma grande diferença entre estar um pouco cansado e estar exausto. É importante que o fisioterapeuta seja capaz de perceber a diferença entre essas duas condições, pois o overtrainning pode causar lesões. Lembre-se que um dos maiores desafios  da reabilitação (reabilitação 100%, aquela que o paciente encontra-se totalmente recuperado) é a consistência. Os atletas amadores e os profissionais estão constantemente lutando com o problema de overtraining (mesmo dentro da fisioterapia).  Ser capaz de fazer malabarismos com a quantidade certa de carga nos exercícios de fisioterapia, com os treinos esportivos, com sono e descanso adequados e a nutrição certa não é fácil. Além disso, adicione a esta receita uma carreira e uma família e isso se torna ainda mais difícil (lembre-se da Teoria do Envelope de Função).

Conclusão

Então, para o fisioterapeuta que trabalha com esporte amador ou profissional, assim como aquele que trabalha com a população geral tendo seu carro-chefe como os exercícios físicos, é importante ter em mente alguns cuidados como os referidos ao longo do texto para que o tratamento ocorra de maneira eficaz. Saiba que todos os itens discutidos acima são importância para qualquer fisioterapeuta que atue com exercício físico, independente da área; os princípios do treinamento são os mesmos.

Referência

  1. Walker B. The anatomy of sports injuries : your illustrated guide to prevention, diagnosis and treatment [Internet]. North Atlantic Books; 2013. 256 p. Available from: https://stretchcoach.com/articles/fitt-principle/?fbclid=IwAR2j-MFer3KOQjKQ_MB00oTFqwiXD-WQUIjkYKqOHBsNQdJHCVZptVeBOj8