Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Você, enquanto fisioterapeuta ou estudante de fisioterapia, provavelmente já ouviu falar sobre a tendinite. É possível, ainda, que tenha sofrido com a patologia ou conheça pessoas com o caso.

Mas você sabe exatamente o que é a tendinite, em quais partes do corpo ela pode se desenvolver e como prevenir seu surgimento? É isso que explicaremos neste artigo!

O que é tendinite?

A tendinite trata-se de uma inflamação em um tendão. Estes são estruturas responsáveis por conectar os músculos aos ossos. Formados por tecido conjuntivo, os tendões têm muitas fibras de colágeno; por isso, tornam-se resistentes à tração.

Para entender o que é a tendinite, pense que os tendões são formados, além de pelas fibras de colágeno unidas, por vasos sanguíneos e nervos. Existe, ainda, uma capa de tecido conjuntivo denso, que forma duas camadas em torno dessas estruturas.

Entre essas camadas temos um líquido lubrificante, responsável por facilitar o deslocamento e a movimentação do tendão. Apesar disso, o acúmulo desse líquido pode gerar inflamações na região. Consequentemente, pode se originar um quadro de tendinite.

Apesar disso, a tendinite pode ser originada por uma série de fatores, como veremos adiante. Ainda, é importante destacar que ela pode ocorrer em qualquer pessoa, mas é mais comum em adultos acima dos 40 anos de idade e atletas. 

Agora, você pode estar se questionando em quais partes do corpo humano existem tendões e se a tendinite pode atingir todas elas. De fato, essa estrutura está presente em todo o nosso corpo. Então, tecnicamente, a patologia pode ocorrer em todos esses locais. Apesar disso, alguns pontos específicos são os mais atingidos, como você verá a seguir.

Tipos mais comuns da patologia

Como comentado anteriormente, o corpo humano é repleto de tendões. Apesar disso, algumas regiões são as mais atingidas pela tendinite: os punhos, cotovelos, ombros, joelhos e tornozelos. Isso acontece porque esses são os locais que mais sofrem com os fatores que causam esse quadro, como veremos adiante. 

Os punhos, por exemplo, sofrem com a famosa Lesão por Esforço Repetitivo, ou LER. A tendinite se tornou muito comum nessa região devido à popularização do uso de computadores e celulares portáteis.

Já os ombros, por outro lado, são muito atingidos em jogadores de tênis – a tendinite do manguito rotador . A movimentação variada e prolongada, se não for acompanhada dos devidos cuidados, pode gerar um quadro da patologia.

Além disso, os joelhos também sofrem frequentemente com a tendinite. Esse quadro também é conhecido como “tendinite patelar” e “joelho de saltador”. Ela geralmente atingem atletas de modalidades como a corrida e o futebol (que inclui chutes e eventualmente saltos).

Mas, o que exatamente cria a situação para que a tendinite se instale? Leia abaixo as principais causas da patologia.

Causas da tendinite

Conforme citado no início deste artigo, a tendinite é uma patologia muito comum e que pode ser originada por uma série de fatores. A lista abaixo dá conta de resumir os principais aspectos que podem gerar essa inflamação tão incômoda. 

Excesso de esforço ou “overuse

Imagine ser sedentário e, em um dia qualquer, decidir realizar uma caminhada de 30km. Como você imagina que ficará seu tornozelo? É claro que o esforço excessivo em relação ao que o seu corpo está acostumado desgasta suas articulações e tendões, gerando uma inflamação. Por isso é tão importante a progressão de exercícios.

Postura incorreta

Você já sabe que a postura influencia diretamente nossa qualidade de vida. Nesse sentido, permanecer sentado em posturas incorretas durante muito tempo pode forçar sua coluna e causar uma sobrecarga, causando mais atrito e até mesmo uma lesão de tendão.

Falta de alongamento

Apesar da importância do alongamento ser um assunto muito recorrente, muitas pessoas ainda não dão a devida atenção à ele. Muitas vezes, um alongamento simples no dia a dia ou durante a prática de exercício físico pode ser o suficiente para liberar as tensões dos tendões e evitar que uma tendinite se instale.

Hábitos e estilo de vida

Pode parecer besteira, mas a maneira como levamos a vida tem grande influência no surgimento de uma tendinite. Ter uma má alimentação, por exemplo, pode causar um excesso de toxinas no organismo que causam a inflamação dos tendões. O estresse também pode ser uma causa, pois causa contraturas e fadiga muscular.

Prática habitual de esportes

Algumas modalidades esportivas que exigem movimentos repetitivos e sobrecarga dos tendões também podem acarretar a tendinite. É o caso da corrida, do tênis, da natação, do basquete, do golfe, entre outros.

Outras causas de tendinite

Além das causas citadas acima, alguns outros quadros podem levar à tendinite. Apesar disso, nem todos são passíveis de serem controlados, como os seguintes:

Idade avançada

A idade avançada também pode ser a origem de uma tendinite. Isso porque as alterações causadas pelo envelhecimento fazem com que os tendões percam sua flexibilidade original, o que os deixa mais expostos aos fatores externos.

Patologias

Algumas patologias também podem criar um ambiente propício para a inflamação dos tendões. Entre elas temos a diabetes, a artrite reumatoide, doenças autoimunes e a obesidade.

Sintomas gerais de tendinite

Os sintomas de tendinite costumam se manifestar assim que a inflamação do tendão acontece. O primeiro deles é, naturalmente, a dor na região atingida. Essa dor pode ou não irradiar para locais próximos e, com o tempo, é capaz de diminuir os movimentos e gerar a diminuição da força muscular da região.

Outros possíveis sintomas são a vermelhidão e sensibilidade na área, bem como o inchaço perceptível e a rigidez. A rigidez e a diminuição de movimentos, especificamente, podem acabar por lesar outras áreas.

Pense em um tornozelo acometido por tendinite. A incapacidade de movê-lo adequadamente acabará forçando o joelho a ele ligado. A partir daí podem surgir outros problemas. Por isso, o ideal é que o diagnóstico seja feito assim que possível. 

As fases da tendinite

Outro ponto importante sobre a tendinite são suas fases: a aguda e a crônica. Enquanto a primeira tem duração máxima de 45 dias, a segunda pode estender-se durante muito tempo.

Ainda, caso a tendinite não seja tratada, ela pode se estender para o quadro crônico e acarretar o rompimento do tendão e a atrofia dos músculos que o rodeiam. Por isso, deve-se sempre buscar um diagnóstico correto e o tratamento adequado.

Como prevenir o quadro

Agora que você sabe o que é a tendinite, chegou a hora de saber como prevenir seu surgimento. Para isso, algumas atitudes simples podem ser muito eficazes. Olha só:

  • Pratique exercícios físicos com o acompanhamento de um profissional da área;
  • Siga as indicações de pausa e descanso entre treinos;
  • Respeite seus limites físicos: se sentir dor, mude de atividade;
  • Crie e siga uma rotina de alongamentos matinais e noturnos;
  • Atente-se à adequação ergonômica do seu local de trabalho;
  • Faça pausas regulares durante a jornada de trabalho;
  • Tenha bons hábitos alimentares.

Conclusão

Apesar de ser uma patologia muito comum, é possível evitar o surgimento da tendinite. Ainda, caso ela ocorra, também é papel do profissional de fisioterapia realizar uma reabilitação adequada da região.

Entender as principais características da patologia é o primeiro passo para conseguir realizar o tratamento adequado.

Além disso, é importante alertar os pacientes com o quadro sobre a importância da realização da prevenção, para que as dores não retornem.

Para isso, o aluno pode realizar um trabalho de fortalecimento muscular, ter mais atenção à sua postura e sempre respeitar seus limites físicos. 

E então, o que achou do texto? Comente abaixo suas dúvidas sobre a tendinite!