Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Sabemos que o envelhecimento vem acompanhado de alterações fisiológicas e também há perda de capacidade em manter o equilíbrio homeostático. Como consequências dos processos do envelhecimento, podemos citar mudanças na estrutura da pele, audição, visão, paladar, olfato, sistema cardiovascular, respiratório, renal, trato urinário inferior, trato gastrointestinal, sistema nervoso, sistema imune, sistema osteomuscular. Todos esses fatores acarretam em fraqueza muscular, déficit de equilíbrio e coordenação motora. Na maioria dos casos, dificuldade para realizar atividades do cotidiano, que até então eram executadas sem maiores dificuldades.

Continue lendo esta matéria e conheça todos os processos do envelhecimento, as principais patologias presentes na terceira idade e os principais cuidados!

Qual a diferença entre senilidade e senescência?

Tanto a senescência como a senilidade são condições que podem estar presentes na terceira idade, no entanto, existem fatores que podem determinar a presença de uma ou de outra, como a qualidade de vida do indivíduo ao longo dos anos.

É comum ouvirmos os termos senescência e senilidade, no entanto, existe uma certa dificuldade na distinção entre eles. Pois bem, existem diferenças importantes peculiaridades que devem ser levadas em conta no atendimento desses grupos de indivíduos.

Em comum, a senescência e a senilidade têm condições que podem estar presentes na terceira idade, no entanto, existem fatores que podem determinar a presença de uma ou de outra, como a qualidade de vida do indivíduo ao longo dos anos.

O processo natural de envelhecimento (envelhecimento primário) é denominado de senescência, é caracterizada por um processo biológico com redução da capacidade de manutenção da homeostasia em condições de sobrecarga funcional, acarreta em perda progressiva da capacidade de adaptação do organismo frente a dificuldades impostas pelo cotidiano, no entanto, não implica em tantos prejuízos na independência funcional.

Já a senilidade é o conjunto de alterações em decorrência de uma doença, com presença de sintomas que levam prejuízo à autonomia funcional, que associado ao envelhecimento natural gera maiores prejuízos na qualidade de vida desses indivíduos. Com isso, torna-se evidente a importância de se conhecer os mecanismos fisiopatológicos, clínicos e as repercussões funcionais nas doenças que acompanham o envelhecimento.

Como os processos do envelhecimento afetam a capacidade funcional?

Existe uma importante relação entre os processos do envelhecimento e capacidade funcional, que devem ser levadas em conta durante a prática do Pilates.

A capacidade funcional refere-se à medida do grau de preservação da capacidade do indivíduo para realizar suas atividades do cotidiano e viver de maneira autônoma e de se relacionar em seu meio. Sua perda está associada a maior risco de institucionalização e quedas, em idosos, sendo considerado um fator de risco para mortalidade.

Naturalmente, o envelhecimento é acompanhado pela diminuição gradual da cidade funcional, que progride conforme a idade aumenta.

As maiores consequências de saúde associadas ao envelhecimento são:

  • Incapacidade funcional;
  • Dependência.

Elas acarretam em restrição e até mesmo na perda de habilidades, assim como há a dificuldade e, muitas vezes, a incapacidade de executar funções comuns durante as atividades do dia a dia.

As doenças crônicas também demandam atenção, principalmente quando se manifestam de forma mais expressiva e passam a acometer o idoso com outras patologias e doenças.

Com isso a qualidade de vida dos idosos, fica comprometida principalmente pelo de afetarem a capacidade funcional, iniciando o processo incapacitante desses indivíduos.

Os processos do envelhecimento aumentam a prevalência de diversas  afecções,principalmente as de caráter crônico. Neste cenário, devemos dar atenção especial aos fatores de risco, sintomatologia e prevenção das doenças mais comuns na terceira idade.

As doenças mais comuns na terceira idade

Doença de Parkinson

A Doença de Parkinson é um distúrbio cerebral que provoca a deterioração progressiva e apresenta:

  • Aumento graduação de tremores;
  • Rigidez dos músculos;
  • Lentidão dos movimentos;
  • Caminhar arrastando os pés;
  • Postura inclinada para frente;
  • Dificuldade em engolir alimentos.

Essa patologia também influencia na sociabilidade do idoso, acarretando em:

  • Depressão;
  • Problemas de relacionamento familiar e social.

Com esses sintomas repercutindo na capacidade funcional do idoso, há a percepção. por parte de familiares, da dificuldade de realizar as seguintes atividades:

  • Banho;
  • Se vestir;
  • Cozinhar.

É comum a falsa ideia de que esta lentidão é causada pela idade sob o preconceito de que “o idoso é lento mesmo”. Trata-se de uma doença que não tem cura conhecida, porém, existem meios para diminuir o seu progresso, dentre a prática de exercícios.

Alzheimer

O Alzheimer é uma doença degenerativa do cérebro, caracterizada por:

  • Perda de habilidades: raciocínio, memorização;
  • Alterações no comportamento.

Já as funções cognitivas são afetadas em:

  • Confusão;
  • Esquecimento;
  • Perda de iniciativa e de autonomia;
  • Maior dependência na rotina e atividades habituais;
  • Não reconhecer as pessoas;
  • Incontinências;
  • Irritabilidade, desconfiança e agressividade;
  • Perda de peso;
  • Restrição de movimentos.

Osteoporose

A osteoporose afeta a estrutura dos ossos tornando-os frágeis e diminuindo sua capacidade de suportar o peso corporal. Por ter menor resistência a traumas, são fraturas comuns no idoso, principalmente no fêmur, quadril, coluna e punho.

No entanto, em muitos casos a osteoporose só é descoberta após uma fratura. Então, saiba identificar de forma precoce a partir dos sintomas:

Osteoartrose

A osteoartrose é um desgaste das articulações, que acomete 70% dos idosos. Pode acometer a coluna, joelhos, quadril e mãos e a manifestação principal é dor crônica.

Acidente Vascular Cerebral

O AVC decorre da alteração do fluxo de sangue ao cérebro. Responsável pela morte de células nervosas da região cerebral atingida, o AVC pode se originar de uma obstrução de vasos sanguíneos, o chamado acidente vascular isquêmico, ou de uma ruptura do vaso, conhecido por acidente vascular hemorrágico.

Além disso, é considerado uma das principais causas de morte ou incapacidade física e mental, provocando:

  • Dificuldade de fala;
  • Dificuldade de compreensão
  • Dificuldade de alimentação;
  • Dificuldade de caminhar;
  • Hemiparesia ou hemiplegia;
  • Fraqueza muscular;
  • Incapacidade de combinar movimentos musculares;
  • Músculos rígidos;
  • Paralisia com músculos fracos;
  • Problemas de coordenação;
  • Reflexos hiperativos;
  • Com repercussões na dependência funcional.

Conclusão

Os processos do envelhecimento vem acompanhado de necessidades da terceira idade. É importante trabalhar para melhorar as funções do idoso e, por consequência, elevar a qualidade de vida!