Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Fisioterapia Home Care ou assistência domiciliar é um aglomerado de ações hospitalares que permitem a realização dessas práticas em ambiente domiciliar mediante atuação de uma equipe multidisciplinar.

Segundo o estudo EURHOMAP o atendimento domiciliar é definido como a prestação de cuidados a curto e longo prazo realizada no domicílio. Essa assistência pode ser da ordem da prevenção, assistência a pacientes agudos, reabilitação e cuidados paliativos.

Essa modalidade de atendimento contribui para um estado de promoção, manutenção e reabilitação da saúde, tendo como principal benefício a comodidade já que não exige a locomoção do paciente até o centro de saúde.

O serviço de home care teve origem nos Estados Unidos em Nova York no Memorial Hospital, com o professor Bluestone. A modalidade foi desenvolvida como alternativa aos custos elevados das internações hospitalares por iniciativa dos próprios hospitais, por causa das pressões do governo e dos seguros de saúde.

No Brasil a prática de home care proporciona a monitorização e acompanhamento dos pacientes que exigem cuidados específicos, obtendo redução dos custos e melhora na qualidade de vida do paciente e da sua família.

O objetivo é viabilizar realizações de procedimentos que dispensam internações, como curativos, terapias medicamentosas, retirada de pontos, traqueostomias, suporte nutricional, suporte respiratório, fisioterapia e etc.

Além disso a fisioterapia home care dá cobertura assistencial para os pacientes que não podem ser atendidos em outros tipos de serviços, assegurando a continuidade do atendimento integral após a alta hospitalar e atuar como uma ponte entre o hospital e atenção primária, otimizando a gestão dos recursos existentes.

Outro benefício é o envolvimento dos familiares nos cuidados do paciente, tornando o tratamento individualizado.

O atendimento de home care é uma atividade contínua, com supervisão e ação da equipe de saúde específica personalizada. É destinado a pacientes portadores de doenças crônicas, com complexidade moderada e que demandam uma assistência semelhante à oferecida em ambiente hospitalar.

O que é a Fisioterapia Home Care (Domiciliar)?

A fisioterapia home care no atendimento domiciliar é caracterizada como uma assistência onde cuidados fisioterápicos são realizados na casa do paciente, permitindo uma avaliação profissional quanto a realidade e dificuldades do mesmo.

A partir dessa avaliação é elaborado um plano de assistência adequado à realidade que o paciente vive.

O fisioterapeuta vai desenvolver atividades que promovam o tratamento de doença ou sequelas de traumatismo no sistema esquelético, sistema locomotor, do sistema respiratório, do sistema cardíaco e etc.

O objetivo é reabilitar, reeducar e prevenir deformidades ósseas e articulares para que o paciente possa voltar o quanto antes para suas atividades de vida diária.

Além disso, a fisioterapia home care ajuda a promover inclusão, melhorar a qualidade de vida, preservar ou recuperar a saúde do paciente.

Esse modelo de atenção à saúde tem sido amplamente difundido no mundo e tem como pontos fundamentais o paciente, a família, o contexto domiciliar, o cuidador e a equipe multiprofissional.

Como funciona?

A fisioterapia home care é um serviço diferenciado, geralmente contratado por pacientes que possuem dificuldade em frequentar uma clínica por diversos motivos sejam eles de transporte, tempo, condições físicas, conforto entre outros.

O fisioterapeuta vai atender, tratar e reabilitar utilizando o espaço domiciliar do paciente, de acordo com suas necessidades e condições patológicas.

Cada paciente é um caso único e ímpar, que precisa de cuidados e adequações particulares.

Antes de dar início ao atendimento, para que sejam designadas às necessidades e possíveis adaptações domiciliares, é necessário fazer uma avaliação fisioterapêutica que inclui:

  • Exame Físico Geral – analisa o nível de consciência, estado afetivo, distúrbios de cognição e linguagem
  • Inspeção – avaliar a necessidade de sonda, presença de curativos, edemas, coloração da pele, trofismo muscular, se existem deformidades ósseas e articulares, etc.
  • Avaliação Respiratória – avaliar o tipo de tórax, ritmo respiratório, ventilação, padrão respiratório, expansibilidade, ausculta e se faz uso de ventilação mecânica
  • Palpação – engloba o tônus muscular, amplitude de movimento, força muscular, reflexos patológicos, testes de coordenação e mobilidade no leito.

Após a avaliação o fisioterapeuta deve conversar com os familiares pois se forem necessárias alterações no domicílio, elas devem ser realizadas para um melhor aproveitamento da terapia.

Os cuidados domiciliares repassados à família incluem:

  • Orientações de Saúde em Geral
  • Treinamento quanto ao Uso das Órteses/Próteses
  • Orientação sobre a Importância da Continuidade do Tratamento e a sua Realização Diária

É importante que o fisioterapeuta observe também a condição socioeconômica da família, elaborando uma assistência específica e individualizada dentro da realidade em que o paciente vive.

Os objetivos principais da Fisioterapia home care são:

  • Diminuir ou prevenir riscos e complicações decorrentes de patologias como diabetes, hipertensão arterial e etc.
  • Esclarecer o paciente e os familiares sobre as limitações da deficiência e o compromisso do tratamento, fazendo uso de recursos terapêuticos adequados para isso;
  • Proporcionar maior independência e autonomia possível ao paciente.
  • Prevenir os acidentes em domicílio;
  • Favorecer o retorno das atividades de vida diária;

É função do fisioterapeuta durante os atendimentos de home care:

  • Participar do processo de admissão do paciente;
  • Elaborar, supervisionar e executar um programa terapêutico que deverá ser realizado após a avaliação completa (avaliação motora, cardiorrespiratória e neurológica), com o objetivo de restaurar, desenvolver e conservar a capacidade física do paciente, promovendo independência funcional máxima e prevenindo complicações;
  • Prescrever órteses e equipamentos quando foram necessários;
  • Capacitar o cuidador para que ele possa auxiliar o paciente a atuar na ausência do terapeuta, para dar continuidade do tratamento;
  • Agendar as sessões conforme o plano terapêutico;
  • Realizar avaliações periódicas no decorrer do tratamento, reformulando condutas e procedimentos quando necessário;
  • Conscientizar a família, o cuidador e o próprio paciente sobre a importância de sua participação no processo de reabilitação para conseguir sucesso no tratamento;
  • Orientar e identificar barreiras arquitetônicas no domicílio para promover uma independência funcional mais adequada.

5 Vantagens do Home Care para o Fisioterapeuta

1) Melhora a Proximidade entre o Terapeuta e o Paciente

É importante que o paciente se sinta próximo e confortável ao lado de seu terapeuta, pois isso vai estimular sua vontade de fazer os exercícios e participar do processo de reabilitação.

Estar dentro do domicílio do paciente, local onde ele se sente seguro e confortável facilita a aproximação e a construção de uma boa relação terapeuta-paciente.

2) Melhora a Proximidade entre o Terapeuta e a Família

Durante as visitas do fisioterapeuta na casa do paciente é comum que ele conheça não só o cuidador, mas também outros membros da família.

Essa proximidade é importante para que o familiar faça parte do tratamento, seja aprendendo como lidar com o paciente em casa ou oferecendo ao terapeuta informações importantes que podem auxiliar o processo de recuperação.

3) Permite uma Visão do Contexto Familiar

O fisioterapeuta, ao analisar o contexto familiar, consegue se adequar e traçar condutas dentro da realidade do paciente, utilizando as informações observadas na família que podem ser úteis para o tratamento.

4) Facilita o Aprendizado do Paciente na Realização das suas AVD’s

O terapeuta utilizará os recursos que o paciente tem em casa, estimulando o aprendizado das AVD’s na nova realidade em que vive, utilizando os recursos reais que ele apresenta no momento.

Como exemplo, caso o paciente não consiga mais escovar os dentes em pé, o fisioterapeuta ajudará a criar formas com que ele consiga realizar essa atividade dentro do seu próprio banheiro, utilizando recursos já disponíveis ou criando adaptações. Estar dentro do ambiente que o paciente vai utilizar facilita a criação dessas adaptações.

5) Permite Maior Flexibilidade de Atendimento

Dentro do domicílio do paciente o fisioterapeuta pode ter mais flexibilidade em relação aos horários de seu atendimento, realizando suas sessões em horários em que o paciente responda melhor aos exercícios, facilitando também a organização de sua agenda.

5 Vantagens do Home Care para o Paciente

1) Paciente não Precisará se Locomover até a Clínica

Muitas vezes o paciente não pode se locomover até a clínica, seja por dificuldades de locomoção (cadeira de rodas, andador, bengala, etc), por estar acamado, por utilizar ventilação mecânica, por não possuir veículo para ir até a clínica entre outros.

O atendimento da fisioterapia home care permite que o paciente seja atendido em casa, facilitando a vida do paciente e dos cuidadores.

2) Escolha do Melhor Horário para o Atendimento

O paciente pode escolher o horário em que se sente mais confortável para realização de sua terapia.

3) É Atendido no Conforto de sua Residência

O lar é o local em que o paciente mais se sente confortável. A realização do atendimento em sua casa aumenta a sensação de conforto durante a terapia, fazendo com que queira participar mais ativamente do processo de reabilitação.

4) Está do Lado da sua Família

Estar ao lado da família é reconfortante ao paciente, trazendo a sensação de segurança. Um paciente que se sente seguro responde melhor às condutas de reabilitação.

5) Aumento Significativo na Recuperação, pela Personalização do Tratamento para Cada Paciente

O atendimento em domicílio requer um atendimento ainda mais personalizado, já que o atendimento é individualizado e feito dentro das limitações que o paciente possui em seu domicílio.

Esse atendimento personalizado auxilia para uma recuperação mais rápida e eficaz.

Quais os Benefícios desse Atendimento Personalizado?

O atendimento domiciliar personalizado permite:

  1. Individualizar o serviço, diminuindo o risco de iatrogenias.
  2. Desenvolver ações cuidativas na privacidade e segurança que o domicílio do paciente oferece.
  3. Permitir ao paciente e a família um maior controle sobre o processo de tomada de decisões.
  4. Desenvolver uma parceria entre a equipe de saúde e o paciente no alcance de metas estabelecidas.
  5. Garantir cuidados e insumos mínimos com economia de hotelaria, redução de internações e reinternações, disponibilização de leitos hospitalares, resultando em diminuição de custos de assistência.

Como montar uma Sessão de Fisioterapia Domiciliar?

Primeiramente é necessária uma avaliação minuciosa, com o objetivo de traçar uma conduta individualizada e personalizada para o paciente em questão.

Durante a avaliação o fisioterapeuta deve avaliar também o local em que as sessões serão realizadas, a fim de criar adaptações que permitam a realização do atendimento.

Acessórios podem ser levados pelo terapeuta ou comprados pelos familiares para auxiliar na reabilitação.

A sessão deverá ser montada de acordo com os objetivos propostos para aquele dia de atendimento (treino respiratório, treino de marcha, mudança de decúbito, etc).

Acessórios Necessários

Alguns acessórios são necessários para um atendimento domiciliar seguro.

O fisioterapeuta deve sempre estar munido de esfigmomanômetro para aferir a pressão arterial do paciente antes e depois de seu atendimento, para verificar se não existem alterações significativas ou alterações geradas durante a realização dos exercícios.

O estetoscópio também é obrigatório e deve ser usado realizar ausculta cardíaca, com o objetivo de verificar presença de arritmias ou alterações cardíacas e para realizar ausculta pulmonar, que irá identificar problemas respiratórios e presença de secreções, auxiliando na prescrição da conduta daquele dia.

Halteres, tornozeleiras e therabands podem ser utilizados para facilitar a realização de exercícios resistidos, porém não são obrigatórios. É possível realizar esses mesmos exercícios utilizando a resistência do terapeuta ou adaptando pesos utilizando garrafas de água, sacos de alimentos, cabo de vassouras, etc.

Para realização de fisioterapia respiratória para fortalecimento de músculos da mecânica respiratória podem ser utilizados os incentivadores, mas caso o paciente não possua e não tenha condições financeiras de adquirir, podem ser realizadas adaptações utilizando bexigas, canudos, “língua de sogra”, etc.

Caso seja necessária a realização de aspiração, são necessários os equipamentos para esse fim (aspirador, sondas, soro fisiológico, luvas estéreis e de procedimento, gaze, máscara e óculos de proteção).

Dinâmica com Pacientes Acamados

Pacientes acamados necessitam de cuidados especiais para evitar a progressão da doença e evitar complicações causadas pelo imobilismo.

O objetivo e a conduta para esses casos para esses casos visa:

  • Prevenir Contraturas e Deformidades

O fisioterapeuta deve realizar mobilizações contínuas com exercícios de alongamento e fortalecimento (ativo ou passivo, caso o paciente não possua força muscular necessária) para evitar o declínio funcional.

  • Prevenir Complicações Originadas pelo Imobilismo

O fisioterapeuta deve orientar sobre a importância do posicionamento adequado no leito e mobilização precoce, para prevenir as deformidades e perdas funcionais.

Órteses podem ser prescritas para auxiliar no correto posicionamento no leito.

  • Prevenir Complicações Respiratórias

As complicações respiratórias têm como objetivo a reexpansão pulmonar e higiene brônquica.

Quando o paciente consegue tossir as manobras devem ser realizadas estimulando a tosse para retirada de secreções. Caso o paciente não possua o reflexo de tosse ou esteja em ventilação mecânica a aspiração deverá ser realizada.

Caso seja necessário o uso de oxigênio, o fisioterapeuta deverá gerenciar a oxigenoterapia junto da equipe multidisciplinar.

Suprimentos Necessários

Em pacientes sob ventilação mecânica é necessária a aspiração caso o paciente apresente sons adventícios à ausculta que caracterize presença de secreções, apresente queda nos níveis de saturação de oxigênio, quadro febril associado a taquidispneia por infecção respiratória ou sinais de insuficiência respiratória.

Para isso, são necessários os seguintes suprimentos:

  • Pacote de Curativo
  • Aspirador
  • Frasco de Aspiração
  • Máscara
  • Óculos
  • Gorro
  • Capote não Estéril
  • Sonda de Aspiração
  • Gaze
  • Luvas Estéril
  • Luvas de Procedimento
  • Soro Fisiológico 0,9%

Cuidados com Infecção

É importante manter a higiene durante os atendimentos de fisioterapia home care, para evitar o risco de infecções que possam causar doenças no paciente que, por estar doente, pode apresentar um sistema imunológico deficiente.

Antes de todo atendimento é necessário lavar as mãos e utilizar álcool gel.

Luvas e máscaras devem ser utilizadas durante toda a terapia, principalmente nos pacientes em ventilação mecânica.

Durante a aspiração deve-se tomar cuidado extra para evitar o risco de infecções. Segundo o Ministério da Saúde do Distrito Federal esse é o procedimento operacional padrão para a realização de aspiração de vias aéreas com técnica estéril:

  1. Reunir todo o suprimento (citado no item anterior);
  2. Conferir o nome do paciente e explicar sobre o procedimento;
  3. Higienizar as mãos;
  4. Colocar o paciente em semi-fowler (sentado à 45º) ou Fowler (sentado à 60º), se tolerável;
  5. Interromper a dieta e a administração de medicação preferencialmente com antecedência de 30 minutos;
  6. Abrir a embalagem da sonda (somente a parte que é conectada na extensão do tubo coletor) e utilizar o restante da embalagem para proteger e manter a sonda estéril. Adaptar à extensão do aspirador
  7. Colocar o gorro, avental, máscara, óculos e luvas estéreis;
  8. Ligar o aspirador com a mão considerada não estéril (não dominante), mantendo a pressão conforme recomendação;
  9. Com a mão não dominante, segurar a parte da sonda não estéril e com a mão dominante, retirar a sonda de forma a mantê-la estéril;
  10. Lubrificar a sonda com água destilada ou soro fisiológico 0,9% (estéril) e manter o frasco com a solução próximo ao leito para a limpeza das extensões após o término do procedimento;
  11. Com a mão dominante (estéril) introduzir a sonda no tubo orotraqueal mantendo a extensão clampeada para não aplicar sucção até encontrar resistência e, então, retirar a sonda 1 a 2 cm antes de aplicar sucção;
  12. Desclampear a extensão e aspirar retirando a sonda com movimentos circulares. Essa tapa não deve exceder a 10 segundos;
  13. Deixar o paciente descansar por 30 segundos e se for necessário, repetir o procedimento de aspiração. Não realizar mais do que três ou quatro aspirações por sessão;
  14. Ao terminar a aspiração orotraqueal, promover a limpeza da sonda com água destilada ou soro fisiológico 0,9% e realizar a aspiração nasal e oral. Após todas as aspirações, é necessário lavar a extensão do aspirador com solução estéril e desprezar a sonda enrolando-a na mão e puxando a luva sobre ela;
  15. Deixar o paciente confortável
  16. Auscultar os pulmões do paciente para reavaliar as condições clínicas;
  17. Recolher o material utilizado e desprezar os resíduos em local adequado;
  18. Higienizar as mãos e retirar os equipamentos de proteção individual;
  19. Realizar as anotações no prontuário, anotando o aspecto, volume e coloração da secreção aspirada.

Conclusão

A fisioterapia home care é uma modalidade assistencial que vem ganhando destaque nos últimos anos, com o aumento das doenças crônicas e degenerativas e com o envelhecimento populacional.

Esse tipo de atendimento domiciliar cresce por causa da busca de outros modos de produção de cuidados substitutivos ao modelo hospitalar, com o objetivo de reduzir custos e promover um cuidado mais humanizado, dentro do ambiente do paciente.

Todas as partes saem ganhando com o atendimento home care.

  • O paciente ganha à medida que reduz o risco de internações constantes, reduz os riscos de infecções, melhora a qualidade de vida e o estado psicossocial, auxiliando o seu processo de reabilitação.
  • A família se mostra satisfeita devido a qualidade e eficiência do programa, visto que o atendimento é individual e mais humanizado. A harmonia da casa melhora, o que faz com que o estado psicológico de todos seja otimizado.
  • O médico se sente tranquilo ao saber que seu paciente por ficar 24h por dia monitorado sem a necessidade de uma vaga hospitalar.
  • Os hospitais ficam mais vazios, abrindo vagas para outros pacientes que realmente precisam de um leito e cuidados especiais.
  • Os convênios ganham já que o atendimento adota um caráter preventivo e reduz os custos finais.
  • Os profissionais da equipe multidisciplinar (fisioterapeutas, enfermeiros, nutricionistas, fonoaudiólogos e psicólogos) ganham mais uma chance de trabalho em uma área em constante crescimento, lucrativa e que permite ao profissional trabalhar individualmente com cada paciente, oferecendo assim uma melhor assistência.
Bibliografia
  1. PEREIRA, P.B.A. Atenção domiciliar e produção do cuidado: apostas e desafios atuais. 134 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 2014.
  2. MOLINARI, J.C. Home care – estrutura, funcionamento e fisioterapia. 49 f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharel em Fisioterapia) – Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, Lins. 2007.
  3. MENDES, W. Home care: uma modalidade de assistência à saúde. 1ªed. Rio de Janeiro: UERJ, UnATI, 2001. 112p.
  4. PEREIRA, P.B.A. Fisioterapia geriátrica domiciliar e as interações com o lazer. 102 f. Dissertação (Mestrado em Estudos do Lazer) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2013.
  5. KATZER, J. Fisioterapia domiciliar em pacientes graves com acometimento respiratório. Disponível em: < https://www.uninter.com/cadernosuninter/index.php/saude-e-desenvolvimento/article/view/436 > Acesso: 06/02/2019.
  6. MOURA, D.S et al. Fisioterapia no atendimento domiciliar: enfrentamento e desafios dos profissionais. Id On Line Ver. Multidisciplinar e de Psicologia., Curitiba, 12, n. 39, p. 71-83, 2018.
  7. BENASSI, V et al. Perfil epidemiológico de paciente em atendimento fisioterapêutico em home cara no Estado de São Paulo. Revista Journal of the Health Sciencs Institute, São Paulo, 30, n. 4, p. 395-398, 2012.
  8. SILVA, L.W.S; DURÃES, A.M; AZOUBEL, R. Fisioterapia domiciliar: pesquisa sobre o estado da arte a partir do Niefam. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, 24, n. 3, p. 495-501, 2011.

INSCRIÇÕES ABERTAS

Curso Online do Movimento Inteligente