Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

O joelho é uma das articulações mais comumente lesionadas. Isso ocorre por ser uma região que está envolvida em grande parte dos gestos diários e também por ser uma das primeiras estruturas a absorver o impacto das forças de reação do solo. Ele é considerado uma das mais complexas estruturas anatômicas do corpo humano, com seus vários componentes que desempenham diferentes funções. Quando há desequilíbrio ou quando a função desta articulação é comprometida, pode-se desencadear lesões nesta estrutura, como é o caso da lesão no menisco.

Além disso, como o joelho é uma articulação intermediária, localizada entre o quadril e o tornozelo, problemas nestas duas áreas podem gerar consequências na função do joelho, interferindo na sua integridade.

Dentre as lesões que podem ocorrer, a lesão no menisco é a mais comum e, tanto ela quanto as outras lesões, podem ser muito incômodas devido aos sintomas, como é o caso da dor, das crepitações, dos travamentos, da sensação de instabilidade e da dificuldade de realizar atividades físicas.

Este tipo de lesão geralmente está associado ao comprometimento de outras estruturas, como ligamentos e fraturas. A crescente procura por atividades físicas e o grande número de praticantes de futebol no Brasil faz com que essas sejam lesões comuns nas clínicas ortopédicas.

Conheça neste texto as principais causas, prevenção e tratamento da lesão no menisco!

Estrutura do joelho

O joelho é uma das estruturas mais importantes do corpo e tem a função de suportar grandes cargas. Por essa razão, lesões que envolvem suas estruturas moles como ligamentos, tendões, cartilagens e menisco são comuns, principalmente para aquelas pessoas que praticam esportes.

A articulação do joelho é sinovial do tipo gínglimo, formada pelos ossos do fêmur, tíbia, fíbula e patela, denominadas articulações femorotibial e patelofemural. Esta articulação possui dois graus de movimento:

  • Flexão-extensão;
  • Rotação medial e lateral com 90º de joelho.

Sua função nas atividades da vida diária (AVD’S) é absorver, receber e dissipar forças adquiridas no caminhar, subir e descer escadas, correr, agachar e outros movimentos.

O que é o menisco?

O menisco é uma estrutura fibrocartilaginosa que está presente no joelho e tem as seguintes funções:

  • Proteção das estruturas ósseas contra atritos;
  • Absorção de impacto;
  • Distribuição de forças de contato;
  • Lubrificação articular;
  • Propriocepção.

Ele se localiza entre os côndilos femorais e o platô tibial no joelho, dois elementos que são essenciais para a estabilidade articular do joelho e que são formados por fibras colágenas semicirculares, com bordas periféricas, espessas e convexas aderidas a cápsula articular, apresentando um aspecto triangular na região frontal.

O que é a lesão no menisco?

Existem dois meniscos em cada joelho e cada menisco é dividido em três porções, sendo corno anterior, corno médio e posterior. O menisco medial tem formato de “U”, enquanto o menisco lateral tem formato de “C”, eles absorvem cerca de 50-60% das forças compressivas sobre os joelhos. São compostos de fibrocartilagem (condrócitos imersos em fibras colágenas), formado de 75% de colágeno tipo I.

Eles são avasculares, área conhecida de zona branca, exceto na porção mais externa, que é conhecida como zona vermelha – área de aproximadamente 25% da periferia. As lesões meniscais centrais têm baixa regeneração por ser na zona avascular/branca.

O menisco medial está conectado ao ligamento colateral medial (LCM) e, muitos pesquisadores associam a prevalência das lesões meniscais mediais ao fato deste ser mais imóvel (se desloca entre 2-5 mm) quando comparado com o menisco lateral, já que este já não sofre muito impacto de posicionamento.

Estima-se que 75% das lesões ocorrem no menisco medial e 25% do menisco lateral, 5% dos pacientes têm acometimento bilateral.

O que causa a lesão no menisco?

As lesões meniscais geralmente estão associadas a movimentos rotacionais bruscos dos joelhos, como as entorses, que podem ocorrer em duas situações:

  • De forma traumática;
  • Associada a um desgaste progressivo de todo o joelho devido aos impactos sofridos diariamente que sobrecarregam a estrutura.

O menisco pode se lesionar de maneira isolada ou associada a lesões ósseas ou ligamentares. O sintoma mais comum é a dor na região anterior e lateral do joelho, com progressão da dor e limitação de alguns movimentos.

Esportes que possuem maiores chances de lesões meniscais são:

Rupturas meniscais que ocorrem externamente têm mais chance de cicatrização e se beneficiam com a técnica de reparo meniscal.

Infelizmente somente 20% das lesões meniscais são reparáveis. Se houver cirurgia de reparo meniscal, o tempo de reabilitação é mais prolongado. A perda meniscal reduz a área de contato tibial em cerca de 50-70%, resultando em um aumento do estresse tibial e femoral.

Tipos de lesão do menisco

As lesões meniscais podem ser classificadas quanto a sua morfologia:

  • Oblíquas ou “flap”;
  • Verticais ou longitudinais, incluindo “alça de balde”;
  • Transversais ou horizontais;
  • Degenerativas.

Cerca de 80% das lesões meniscais são longitudinais ou oblíquas e uma das lesões menos frequentes é a em alça de balde com o deslocamento medial do fragmento, geralmente da parte central do menisco, com a incidência que varia de 9% a 24% dos casos.

As rupturas de menisco podem causar bloqueio agudo da articulação e dor na interlinha articular principalmente na extensão e flexão máxima.

Como prevenir?

Dentre os principais fatores externos que podem influenciar para a ocorrência da lesão no menisco, estão:

  • Baixo condicionamento físico;
  • Postura inadequada na realização dos movimentos;
  • Flexibilidade limitada.

Por isso, alguns cuidados precisam ser tomados para evitar a lesão do menisco, são eles:

  • Praticar exercícios físicos que promovam o fortalecimento muscular e a melhora da postura, sempre prestando muita atenção na execução correta dos movimentos;
  • Aquecimento global antes dos exercícios mais vigorosos, fazendo a passagem do repouso para a atividade de forma progressiva para que o corpo se acostume com a intensidade e o impacto e evitando lesões;
  • A escolha do sapato é super importante pois ele deve ser adequado para cada tipo de exercício;
  • Esportes coletivos ou que envolvam contato devem ser evitados, já que há incidência de encontros e de movimentos bruscos, ou seja, ocorre o aumento do perigo de uma lesão.

Como realizar o tratamento?

O tratamento de uma lesão meniscal depende da sua localização, estabilidade articular, tamanho, tempo de ocorrência, idade e estilo de vida do paciente.

Quando ocorre uma lesão a opção é cirúrgica ou fisioterapia.

Em casos onde há estabilidade articular, o tratamento conservador pode ser mantido, em outros, principalmente quando causa bloqueio articular, o tratamento é cirúrgico. A meniscectomia é um tipo de cirurgia na qual o médico retira a parte lesada do menisco por meio de uma artroscopia.

Em casos onde a lesão ocorre na zona vermelha, em que há possibilidades de regeneração, o cirurgião pode optar pela sutura, na tentativa de recuperar o fragmento lesado. Nestes casos e ao optar por este procedimento, a recuperação pós-cirúrgica é um pouco mais prolongada e as chances de regeneração ainda possuem controvérsias na literatura.

A fisioterapia é uma opção que pode ser realizada durante o pré e o pós-cirúrgico, ou, dependendo dos casos, apenas a fisioterapia já dá grandes chances de recuperação e o paciente consegue ter uma boa qualidade de vida.

Durante o processo de reabilitação com fisioterapia é realizado um programa de exercícios com o objetivo de melhorar a estabilidade do joelho, devolver a força muscular, propriocepção e controle motor tanto em casos cirúrgicos quanto no tratamento conservador.

Conclusão

É possível evitar as lesões meniscais e, quando ocorridas, as chances de melhora com o tratamento adequado para cada paciente são promissoras. Os sinais de melhora começam a surgir no início do tratamento, especialmente quando a pessoa segue todas as orientações do médico e do fisioterapeuta.

Quando o tratamento não é realizado ou não é feito corretamente, é possível que a lesão se agrave, podendo limitar a qualidade de vida da pessoa. Portanto, é de extrema importância a prevenção e a reabilitação adequada para o sucesso da recuperação.

 

 

Referências

Sandoval, Renato Alves, Alan Sérgio Mazzari, and GD de Oliveira. “Crioterapia nas lesões ortopédicas: revisão.” Revista Digital (Buenos Aires)[periódico na Internet] 81.10 (2005).

GOES, Rodrigo A. MCCORMACK, Robert G. O Menisco: Da Avaliação e Lesão ao Transplante. Thieme Revinter Publicações LTDA, 2019.

SOUSA, Lígia Adriana Marques Moreira de. Controvérsias no tratamento das lesões meniscais. 2012.

DA SILVA, Larissa Costa; FISCHBORN, Andréa Cristiane. Programa de exercícios versus intervenção cirúrgica em lesão degenerativa do menisco: Revisão de Literatura.