Share, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Posted in:

Ultrassom Terapêutico: Conceito, Indicação e Contra-Indicação

Ultrassom Terapêutico: Conceito, Indicação e Contra-Indicação
5 (100%) 1 vote

A primeira aplicação do ultrassom terapêutico foi na década de 50, desde então vem evoluindo rapidamente.

Atualmente, a energia ultrassônica é um dos recursos da eletroterapia mais utilizados na prática clínica do fisioterapeuta com os objetivos de diminuir a dor, atenuar os efeitos da inflamação e auxiliar na regeneração tecidual (BAKER et al., 2001).

É definido como uma forma de onda acústica inaudível, cujas frequências para tratamento por meio de vibrações mecânicas são superiores a 20.000 Hz (BORGES, 2010).

Estas vibrações acústicas podem gerar efeitos fisiológicos térmicos (exposição contínua à onda) e não térmicos (exposição à onda pulsada) nos tecidos biológicos por meio de parâmetros que varia de 1 a 3 MHZ de frequência.

Método de Aplicação do Ultrassom Terapêutico

As ondas ultrassônicas podem ser aplicadas por dois métodos conhecidos como contínuo ou pulsado (BASSOLI,2001: GUIRRO & GUIRRO, 2002).

A forma contínua produz maior quantidade de calor decorrente da vibração de partículas celulares, que através do atrito entre si é produzido o efeito térmico, alterando o metabolismo e a permeabilidade das células, auxiliando na cicatrização das feridas e diminuindo o inchaço, sendo também mais eficaz no tratamento de lesões crônicas.

Já no ultrassom de modo pulsátil, as ondas são emitidas com pequenas interrupções, o que não produz efeitos térmicos, decorrente do intervalo entre a transmissão das ondas que permite ao tecido dissipar calor recebido, mas também é capaz de estimular a cicatrização e diminuir os sinais inflamatórios, sendo mais indicado no tratamento de lesões agudas.

Propriedades do Ultrassom Terapêutico

A área de radiação ultrassônica do cabeçote corresponde à área do cristal onde há emissão de ondas sonoras, e chama-se de ERA (Área Efetiva de Radiação).

A ERA é sempre menor que a área geométrica do cabeçote. E além disso devemos saber que se houver defeito na colagem do cristal ao cabeçote (diafragma) e ocorrerem espaços vazios, a radiação emitida será ainda menor.

Em virtude do ultrassom (com frequência na faixa mega-hertz) não se propagar através do ar, ocorre intensa reflexão do som caso não haja nenhuma substância à frente do cabeçote quando o aparelho for ligado. E esta reflexão faz com que o som volte para a região do cristal, podendo trazer alterações estruturais no equipamento.

No implante metálico, 90% de radiação ultrassônica que chega é refletida e concentra-se nos tecidos vizinhos (ondas estacionárias). O ultrassom não aquece o implante metálico.

Entretanto, Garavello et al (1997) ao pesquisarem, concluíram que implante metálico não induz temperaturas excessivamente altas, nem qualquer outro efeito deletério nos tecidos.

Modo de Utilização do Ultrassom Terapêutico

O ultrassom terapêutico deve ser usado corretamente:

  1. Coloca-se uma camada de gel condutor diretamente na área a ser tratada.
  2. Em seguida deve acoplar a cabeça do equipamento sob o gel aplicado, fazendo movimentos lentos.
  3. Os movimentos são de forma circular, em forma de 8, de cima para baixo, ou de um lado para o outro.
  4. Nunca deixe parado sobre o mesmo local.

Tempo de Aplicação

O tempo de aplicação é calculado da seguinte forma:

Tempo = Área / ERA

Por exemplo:

  • Largura= 5 cm
  • Comprimento = 8 cm
  • Então a área é igual a 40 cm².
  • ERA = 4cm²
  • O tempo é de 40 minutos, então 40/4 = 10 minutos de aplicação

Frequência do Ultrassom Terapêutico

Quanto às frequências de onda do equipamento pode ser regulado de acordo com a necessidade do paciente, varia de 0,5 a 5 MHZ, sendo que as mais utilizadas são de 1 MHZ e 3 MHZ (ABNT, 1998). Quanto maior a frequência, maior a absorção e menor a profundidade de penetração (HAAR,1999).

Se o fisioterapeuta quer tratar uma lesão profunda, como músculos e tendões, utiliza-se a frequência de 1 Mhz. Mas se a área lesionada é superficial, como por exemplo, disfunções na pele, utiliza-se a frequência de 3 Mhz por ter uma capacidade de concentração menor.

Intensidades

O ultrassom apresenta doses entre 0,125 w/cm²-5w/cm² (LEUNG, 2004). A intensidade menor trata estruturas mais próximas da pele, enquanto que a intensidade maior trata regiões mais profundas, como lesão óssea.

Ciclo de Trabalho:

Para a fase subaguda utiliza-se 1:2 (50%) e para a fase aguda, de repouso tecidual utiliza-se um ciclo de 1:5(20%).

O ultrassom pode ser usado também no modo subaquático, quando o contato direto não é possível devido à forma irregular da parte a ser tratada. Geralmente utilizado nas extremidades como mãos, punho ou dedos onde seria muito difícil acoplar toda a ERA do equipamento.

O cabeçote é colocado dentro de uma bacia com água e movido paralelo à superfície da área que está sendo tratada e o mais próximo possível da pele. Nesse caso não é necessário colocar gel na pele, mas a estrutura a ser tratada e a cabeça do equipamento deve permanecer mergulhadas na água, sendo que o cabeçote fica a uma pequena distância.

Indicação para Uso do Ultrassom Terapêutico

  • Traumatismo do Tecido Ósseo
  • Traumatismo de Articulações e Músculos
  • Distenções
  • Luxações
  • Fraturas
  • Contraturas
  • Espasmos Musculares
  • Neuroma
  • Pontos Gatilhos
  • Distúrbios do Sistema Nervoso Simpático
  • Transtornos Circulatórios
  • Processos Inflamatórios Agudos e Crônicos
  • Reparos de Lesões
  • Fibro Edema Gelóide
  • Cicatrização de Feridas

Contra-Indicação

  • Área com Hipoestesia
  • Área com Insuficiência Vascular
  • Afecções Localizadas no Tecido
  • Epífises Férteis
  • Diabetes Melitus
  • Diretamente sobre o Marca-Passo
  • Feridas Abertas

Conclusão

A terapia ultrassônica sem dúvida pode causar bio-efeitos a curto e longo prazo desde que os tempos de cicatrização tanto muscular como epitelial possam ser respeitados.

O manejo correto do aparelho requer não só a prática, mas principalmente o conhecimento do funcionamento embasado nos fatores biológicos, conhecimento e entendimento das fases da lesão e principalmente deverá saber o funcionamento físico do aparelho de ultrassom terapêutico.

A intervenção terapêutica por meio do ultrassom promove aumento das propriedades mecânicas na região tratada, recuperando assim a função do tecido lesionado.

Diante das revisões sistemáticas analisadas, o uso do ultrassom terapêutico promove redução significativa da dor, e por não apresentar relatos de eventos adversos em nenhuma das afecções citadas pelas revisões sistemáticas, pode ser considerado uma intervenção segura.

Written by Viviane dos Santos Souza

Viviane dos Santos Souza

Graduanda em Fisioterapia pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Possui cursos em Estimulação Precoce pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Gestão de Órteses, Próteses e Materiais Especiais (Cirúrgicos e não cirúrgicos) também pela UFRN. Curso de Extensão em Mobilização Neural na Dor e Limitação Funcional pela UFPI.

1 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *