Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

A hemodiálise é um procedimento onde uma máquina é utilizada para filtrar e limpar o sangue, funcionando como um rim. Os pacientes submetidos à hemodiálise passam por um processo de limpeza do corpo, retirando impurezas e substâncias prejudiciais para a saúde.

Apesar de contribuir para o tratamento dos pacientes, é necessário que ocorra uma avaliação da capacidade física do paciente para a realização da hemodiálise.

Entenda melhor sobre a capacidade física e funcional de pacientes submetidos à hemodiálise, continue a leitura!

O que é insuficiência renal crônica (IRC)

Caracteriza-se por lesão nos rins com perda progressiva e irreversível da função renal, o que leva à redução da capacidade de manter o equilíbrio metabólico e hidroeletrolítico. Com isso, os pacientes apresentam uma série de sinais e sintomas que dependem do grau de comprometimento renal, de outras condições subjacentes e da idade.

Quais são as manifestações da IRC?

Os pacientes com IRC apresentam manifestações neurológicas centrais, periféricas, gastrintestinais, endocrinológicas, metabólicas, infecciosas, dermatológicas e hematológicas. Além de sintomas como fadiga e dispneia, o que limita significantemente a vida desses indivíduos.

O que é hemodiálise (HD)?

É um procedimento invasivo, que substitui parcialmente a função do rim na tentativa de reverter os sintomas urêmicos e trazer a manutenção da vida para esse paciente. O sangue é processado em um circuito extracorpóreo, por meio de uma membrana (conjunto de filtros capilares) responsável por filtrar os resíduos e o excesso de líquido. Com o tratamento podem surgir diversos sintomas como câimbras,  hipotensão arterial ou cefaleia. 

Capacidade física e funcional de pacientes submetidos à hemodiálise

Capacidade física: definida como todas as qualidades físicas motoras passíveis de treinamento: resistência, força, velocidade, agilidade, equilíbrio, flexibilidade e coordenação motora (destreza).

Capacidade funcional: está associada ao grau de preservação da capacidade de realizar as atividades básicas de vida diária (ABVD), ou autocuidado, e ao grau de capacidade para desempenhar atividades instrumentais de vida diária (AIVD), convívio social, suporte familiar e independência econômica, interagindo de forma multidimensional. 

Dessa forma a perda da capacidade funcional está intimamente ligada à ocorrência de fragilidade, dependência, risco aumentado de quedas, mortalidade e problemas de mobilidade, trazendo complicações ao longo do tempo.

Como avaliar a capacidade funcional de pacientes submetidos à hemodiálise

Pode  ser avaliada por meio das atividades básicas e instrumentais da vida diária, também denominadas habilidades de mobilidade, e atividades de autocuidado. 

Além do SF36 (Medical Outcomes Study 36 – Item Short – Form Health Survey) (Quadro 1) que é um questionário genérico, utilizado para avaliar a qualidade de vida de uma maneira geral, existe o Kidney Disease Quality of Life Short Form – KDQOL-SFTM Medical Outcomes Study (Quadro 2), instrumento mais atual e completo, que possui itens de aspectos genéricos e inclui tópicos mais específicos relativos a doença renal.

Quadro 1 – questionário SF-36

pacientes-submetidos-a-hemodialise

capacidade-fisica-e-funcional                                                                                                            capacidade-fisica-e-funcional-de-pacientes-submetidos-a-hemodialise

hemodialise

pacientes-submetidos-a-hemodialise

Quadro 2 – Versão traduzida do KDQOL-SFTM

imagem-pacientes-submetidos-a-hemodialise

Fonte: DUARTE et al., 2003.

Como avaliar a capacidade física de pacientes submetidos à hemodiálise

Uma maneira bem eficaz e simples de realizar a capacidade física desses pacientes é o Teste de Caminhada de Seis Minutos (TC6M), recomendado pela American Thoracic Society.

É realizado ao longo de um corredor reto, com uma superfície dura e plana, de 30 metros de comprimento, marcada com uma fita adesiva a cada três metros, o paciente é orientado a caminhar o mais rápido possível, não sendo permitido corrida ou marcha a meio trote, durante seis minutos (Figura 1). 

Durante o teste, o paciente podia diminuir a intensidade, parar e descansar se necessário, mas sem interrupção da contagem do tempo. Caso parasse para descanso, ele era motivado a retornar à caminhada o mais breve possível. 

Foram realizados dois testes com intervalos de 30 minutos, sendo utilizado o teste com a maior distância percorrida em metros.

Figura 1 – Teste de caminhada de 6 minutos (TC6min) 

imagem2-capacidade-fisica-e-funcional-de-pacientes-submetidos-a-hemodialise

Complicações da IRC

As complicações são causadas pela própria enfermidade renal, como miocardiopatia, neuropatia, desnutrição, hipertensão arterial sistêmica (HAS), depressão, outras alterações psicológicas e comportamentais relacionada à essa rotina da hemodiálise. 

A HD promove uma maior sobrevida para esses pacientes, porém ao longo prazo traz inúmeras alterações que levam a diminuição da capacidade física e funcional do paciente. 

A piora da condição física é multifatorial e está relacionada à restrição promovida pelo tratamento hemodialítico, como deterioração musculoesquelética, fraqueza, descoloração da pele, emagrecimento, edema, fadiga e alterações pulmonares (diminuição da capacidade de difusão, hipoventilação alveolar e hipóxia) promovendo uma redução do condicionamento cardiorrespiratório.

A reduzida capacidade cardiorrespiratória está associada à hipotrofia muscular em fibras do tipo I e II e diminuição da força muscular, sendo ainda influenciada por longos períodos de inatividade física – repouso prolongado devido ao sintoma expressivo de fadiga, o que leva a um progressivo descondicionamento físico. A capacidade de exercício em indivíduos com IRC pode ser de 50% em relação aos níveis esperados.

O edema causado pelo ganho de peso entre uma sessão e outra de hemodiálise, devido à retenção de líquido,  causam cansaço, entre outras descompensações, prejudicando assim a capacidade funcional.

Além da inaptidão laboral a função cognitiva também é citada por muitos autores como um fator de risco para esses indivíduos comprometendo também as condições de vida.

Em relação à força muscular respiratória, os pacientes em HD apresentaram redução dos valores de pressão inspiratória máxima (Pimax) e pressão expiratória máxima (Pemax), que podem ser secundária na DRC. Em muitos estudos a miopatia urêmica tem sido a causa de redução da força muscular esquelética e do diafragma.

Conclusão

A fisioterapia com bases em um programa de exercícios físicos (resistidos e aeróbico) durante a HD, proporciona melhora significativa da capacidade física e qualidade de vida dos pacientes com IRC. 

Mesmo com os inúmeros benefícios (físicos e funcionais) da fisioterapia, os pacientes com IRC em HD são caracterizados pela baixa tolerância em realizar exercícios e pelos sintomas de debilitação, muitos se recusam na realização dos exercícios devido a fatores psicológicos, desânimo pela sensação constante de fadiga, sendo os mais frequentes obstáculos ao exercício de aplicação de um programa de exercícios durante a HD. 

Cabe ao fisioterapeuta proporcionar condutas diversificadas com a finalidade de melhorar as condições do paciente e promover uma melhor adesão aos programas.

 

REFERÊNCIAS

DUARTE, P. S.; MIYAZAKI, M. C. O. S.; CICONELLI, R. M.; SESSO, R. Tradução e Adaptação Cultural do Instrumento de Avaliação de Qualidade de Vida para Pacientes Acidentes Renais Crônicos (KDQOL-SFTM). Rev Assoc Med Bras. v.49, n.4, p. 375-81, 2003.

AMARAL, C.; SILVA, V. G.; MONTEIRO, M. B.; NASCIMENTO, D. M.; BOSCHETTI, J. R.; Efeitos do treinamento muscular inspiratório nos pacientes em hemodiálise. In: J Bras Nefrol, n. 1, v. 33, 2011, p. 62-68.

ARAÚJO, J. B. et al. Cotidiano de pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise: expectativas, modificações e relações sociais. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental [On-line], v.8, n.4, p.4996-5001, 2016.

BACKES, V. M. S.; SILVA, A.S.; SILVEIRA, R. S; LUNARDI, V.L.; FERNANDES, G. F. M.; Percepções e mudanças na qualidade de vida de pacientes submetidos à hemodiálise. In: Rev Bras Enferm, n. 5, v. 64, 2011, p. 839-844.

BAUMGARTEM, M. C.; DIPP, T.; SILVA, V. G.; PLENTZ, R. D. Percepção Subjetiva e Desempenho Físico em Pacientes com Doença Renal Crônica em Hemodiálise. In: Rev. Acta Brasileira do Movimento Humano, v.1, n.2, 2012, p. 5-14. 

BORGES, P.; EHRHARDT, A. Avaliação de marcadores de lesão renal em pacientes diabéticos submetidos à hemodiálise em um hospital do norte do estado do Rio Grande do Sul. RBAC. v.50, n.3, p.215-20, 2018.

CURY, J.L.; BRUNETTO, J. F.; AYDOS, R. D.; Efeitos negativos da insuficiência renal crônica sobre a função pulmonar e capacidade funcional. In: Rev Bras Fisioter, n. 2, v.14, 2010, p. 91-98. 

FASSBINDER, T. R. C.; WINKELMANN, E. R.; SHNEIDER, J.; WENDLAND, J.; OLIVEIRA, O. B.; Capacidade funcional e qualidade de vida de pacientes com doença renal crônica pré-dialítica e em hemodiálise – um estudo transversal. In: J Bras Nefrol, n.1, v. 37, 2015, p. 47-54. 

MORAES, F. C.; OLIVEIRA, L. H. S.; PEREIRA, P. C. Efeitos do exercício físico e sua influência da doença renal crônica sobre a força muscular, capacidade funcional e qualidade de vida em pacientes submetidos à hemodiálise, Rev. Cient. do Centro Universitário de Itajubá – FEPI, p.64-87, 2017.

MOURA, R. M. F.; SILVA, F. C. R.; RIBEIRO, G. M.; SOUSA, L. A.; Efeitos dos exercícios durante a hemodiálise em indivíduos com insuficiência renal crônica: uma revisão. In: Fisioterapia e Pesquisa, n. 1, v. 18, 2008. 

PEREIRA E.M.C.; SOARES M.L.S.R.; FONSECA M.J. A pessoa com insuficiência renal crónica: programa de reabilitação funcional intradialítico. Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, 5-Dez-2017.

RIBEIRO, B. T. S.; DELFINO, M. M.; OLIVEIRA, L. H. S.; FONSECA, C. C.; SILVA, J. R. Efeitos de um protocolo de fisioterapia respiratória na capacidade pulmonar, capacidade funcional e qualidade de vida de pacientes submetidos à hemodiálise. Rev.Saúde. v.10, n.4, p.349-359, 2014. 

ROCHA, E. R.; MAGALHÃES, S. M.; LIMA, V. P.; Repercussão de um protocolo fisioterapêutico intradialítico na funcionalidade pulmonar, força de preensão manual e qualidade de vida de pacientes renais crônicos. In: J Bras Nefrol, n. 4, v.32, 2010, p.359-371.

SANTOS, L. et al . Qualidade de Vida em Transplantados Renais. Psico-USF,  Campinas , v. 23, n. 1, p. 163-172, Mar. 2018.

SANTOS, R. S. S.; SARDINHA, A. H. L. Qualidade de vida de pacientes com doença renal crônica. Enferm. Foco, v. 2, n. 9, p.61-66, 2017. 

SOARES, K. T.; VIESSER, M. V.; RZNISKI, T. A. B.; BRUM, E. P.; Eficácia de um protocolo de exercícios físicos em pacientes com insuficiência renal crônica, durante o tratamento de hemodiálise, avaliada pelo SF36. In: Fisioter Mov, n. 1, v. 24, 2011.

Sociedade Brasileira de Nefrologia. Censo Brasileiro de Diálise: 2017. São Paulo: SBN Ano 25 | nº 114 Abril Maio Junho | 2018.

THOMÉ, F. S.; SESSO, R. C.; LOPES, A. A.; LUGON, J. R.; MARTINS C. T. Inquérito Brasileiro de Diálise Crônica 2017. J. Bras. Nefrol., ahead of print  Epub. Mar 28, p.1-7, 2019.