Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

A lesão do Ligamento Cruzado Anterior é um dos maiores temores dos jogadores de futebol, e não é para menos. Apenas em 2018, 10 jogadores da série A do campeonato Brasileiro foram submetidos à cirurgia para reconstrução do ligamento. O medo é devido ao fato de que o retorno para o futebol após cirurgia é um pouco demorado.

Se tempos atrás a lesão levou ao fim de muitas carreiras promissoras ou já bem consolidadas, hoje em dia a situação é bem diferente. Com a evolução das técnicas cirúrgicas, a possibilidade de retorno no mesmo nível de antes da lesão é bem maior. 

No caminho contrário do que seria de se esperar, porém, o retorno aos gramados, que até a pouco era previsto para cinco ou seis meses após a cirurgia, muitas vezes tem acontecido de forma tardia, com sete, oito ou até um ano de pós-operatório. Por que isso está acontecendo? Este atraso se justifica? Veremos aqui as evidências que temos para isso.

Como deve acontecer o retorno para o futebol após cirurgia 

O primeiro estudo que chamou a atenção para o fato de que muitos atletas estavam retornando de forma precoce ao futebol foi realizado em conjunto por pesquisadores da Noruega e da cidade americana de Delaware, e publicado em 2016 no renomado jornal The British Journal of Sports Medicine. Este estudo demonstrou três fatos importantes:

  • 6 meses após a cirurgia, apenas 14% dos atletas obedeciam a todos os critérios para retorno ao futebol competitivo.
  • Para cada mês de atraso no retorno ao futebol, o risco de uma nova lesão de forma precoce foi reduzindo em 50%, até os nove meses de cirurgia. Atrasar o retorno mais do que nove meses não demonstrou benefício extra.
  • Entre os atletas que retornaram de forma precoce, mas que já obedeciam a todos os critérios para retorno, não foi observado risco aumentado de nova lesão. 

Podemos, desta forma, observar que mais importante do que o tempo cronológico, os critérios clínicos para o retorno devem ser obedecidos. Não existe evidência de que um atleta que retorna para o futebol sete meses após a cirurgia, tendo cumprido todos os critérios para retorno, terá um risco reduzido ao se aguardar até nove ou doze meses de pós-operatório. 

Quanto tempo leva para o retorno ao futebol?

O tempo tem se prolongado, mas porque os critérios têm se tornado mais rígidos. No início dos anos 2000 Roberto Baggio retornou aos gramados apenas três meses de cirurgia, o critério utilizado para liberá-lo foi de que “se sentia apto para jogar”. Hoje, os critérios são muito mais rígidos:

  • A força deve estar equilibrada entre as duas pernas e deve-se ter uma boa relação de força entre a musculatura anterior e posterior da coxa;
  • Testes de agilidade, como o Y test ou o Hop test devem apresentar resultados semelhantes entre os dois membros;
  • Deve realizar ao menos um mês de treinamento não competitivo com bola, com estímulos progressivos;
  • Deve sentir segurança para realizar os gestos esportivos do futebol.

Conclusão

A reabilitação para a cirurgia de reconstrução do Ligamento Cruzado Anterior tem evoluído bastante, permitindo que se atinja estes critérios de forma mais precoce, e de fato alguns atletas profissionais, que já entram muito bem preparados para a cirurgia e que se dedicam integralmente nos melhores centros de reabilitação, conseguem cumprir com todos estes requisitos precocemente, com seis ou sete meses de pós operatório

Para o atleta de consultório, recreativo, é de se esperar que demore mais, as vezes até mais de um ano para isso.