Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Não é incomum encontrarmos pacientes acometidos disfunção na sacroilíaca sem saber exatamente do que se trata, principalmente por ser possível confundi-la com diferentes patologias no quadril ou também na região lombar.

Um diagnóstico pouco assertivo pode causar dificuldades de tratamento da disfunção na sacroilíaca, prejudicando ainda mais a qualidade de vida do paciente. Por isso, na matéria de hoje, você irá conferir detalhes importantes sobre essa região, além de dicas para tratar corretamente a disfunção sacroilíaca.

Continue lendo!

A região sacroilíaca

A articulação da região sacroilíaca está formada entre duas superfícies, são eles:

  • Ílio;
  • Sacro.

Os ligamentos anteriores, posteriores e interósseo são fortes. Este último tem como característica prevenir movimento, dando maior estabilidade para a pelve.

O movimento da região sacroilíaca atinge somente 2 graus e precisa acontecer de forma funcional. Isso significa que a nutação, também conhecida por inclinação anterior e a inclinação posterior, a contranutação, devem ocorrer.

Essa região é estável, no entanto, ela não é diretamente controlada por músculos, o que faz com que haja influência daquelas musculaturas responsáveis pelos movimentos tanto da coluna lombar quanto do quadril.

A disfunção sacroilíaca

Facilmente confundida com patologias lombares ou de quadril, a disfunção sacroilíaca afeta essas duas regiões e também a virilha. Surge quando ocorre algum tipo de anormalidade biomecânica no posicionamento da articulação a partir de:

  • Fixação;
  • Hipomobilidade;
  • Subluxação;
  • Mal alinhamento unilateral;
  • Mal alinhamento bilateral.

A disfunção sacroilíaca causa dor e desconforto em diferentes atividades, sendo elas:

  • Caminhar;
  • Correr;
  • Agachar;
  • Realizar inclinação para a frente.

Diagnóstico

O diagnóstico da disfunção na sacroilíaca se dá por meio de testes de avaliação e palpação da região da articulação, onde será preciso utilizar os polegares para perceber se há uma diferença entre a altura das articulações, notando também se uma das articulações está mais móvel do que as outras

É muito importante que o diagnóstico seja preciso e os testes sejam adequados para que o tratamento da disfunção sacroilíaca tenha mais efetividade.

O tratamento da disfunção na sacroilíaca

Por ser uma patologia que causa diversas compensações que afetam diretamente os movimentos funcionais, o tratamento da disfunção na sacroilíaca pode gerar dificuldades para o profissional. Por isso, o primeiro passo é pensar em como corrigir o movimento errado e compensado dessa articulação a partir das musculaturas mais afetadas, enfraquecidas e instáveis.

No vídeo abaixo você poderá conferir as melhores dicas para o tratamento da disfunção na sacroilíaca.

Conclusão

Para que o tratamento da disfunção na sacroilíaca seja efetivo, é fundamental fazer os testes e a avaliação corretamente.

Lembre-se que essa patologia é muito complexa e que também é muito difícil de conseguir a estabilização desta articulação.