Share, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Posted in:

Cefaleias Tensionais: saiba como tratá-las através da Terapia Manual

Segundo a Associação Internacional de Estudos da Dor (IASP), a dor é uma experiência sensorial e emocional desagradável associado a dano presente ou potencial; uma experiência única e individual modificada pela experiência prévia de um dano.

A dor de cabeça é um sintoma frequente que acomete 80 a 90% da população em geral e apontada como o desconforto que mais acomete jovens trabalhadores, tornando-se um problema de saúde pública com forte impacto socioeconômico.

Quer saber mais sobre as Cefaleias Tensionais, quais são os sintomas, causas e maneiras de tratamento através da Terapia Manual? Continue lendo esta matéria e confira!

O que são as Cefaleias Tensionais?

cefaleias-tensionais-2

Cefaleias são definidas como qualquer dor referida no segmento cefálico e podem ser classificadas em cefaleias tensionais, cefaleias em salva e hemicranianas.

As cefaleias tensionais ocorrem bilateralmente e possuem intensidade leve à moderada; a cefaléia em salva é dores fortes e unilaterais com predomínio noturno, podendo ter sintomas como lagrimejamento, queda palpebral, olho vermelho, sudorese facial, inchaço ocular e congestão nasal.

Já as cefaleias hemicranianas possuem características semelhantes às cefaleias em salva, contudo as crises são com maior frequência e intensidade.

As cefaleias tensionais (CTT) são as de maior prevalência na população, caracteriza-se por tensão muscular ocasionando contraturas da musculatura cervical, resultando em compressão das artérias subjacentes gerando um processo isquêmico-doloroso.

Possui caráter constrictivo, ou seja, com sensação de pressão ou aperto não pulsátil. Com duração de leve a moderada, pode durar de 30 minutos á sete dias e não agrava por esforços ou atividades físicas.

As cefaleias tensionais são multifatoriais, o processo de aquisição e manutenção da mesma perpassa por fatores emocionais, sociais e biológicos.

Nos fatores biológicos temos a contração da musculatura (reação física) em resposta a algum fator ambiental ou psicológico adverso, ocasionando uma isquemia na musculatura da nuca ou crânio promovendo episódios de dor.

Estudos comprovam que indivíduos que possuem rotinas sobrecarregadas, depressões, dificuldade de manejo com as adversidades possuem maior propensão a este tipo de cefaleia.

Como diagnosticar as Cefaleias Tensionais?

De acordo com MATA e Moreira Filho, as cefaleias tensionais podem ser diagnosticadas através de critérios clínicos específicos e classificadas em episódicas, quando sua duração ocorre em menos de 180 dias por ano e 15 dias por mês.

E crônicas quando ultrapassam 15 dias por mês e ocorrem em pelo menos três meses no ano. Podendo, nas duas situações estarem associadas a desordens dos músculos pericranianos.

Os sintomas comuns das cefaleias tensionais são: Pontos de gatilho em região de trapézio superior, dor bilateral, não se agravam com esforço físico, dor em aperto ou pressão e é desencadeada normalmente por fatores ambientais e/ou emocionais.

Os fatores de risco ambientais (estímulos externos que levam ao estresse), emocionais relativos a preocupações que levem a afecção psíquica e os biológicos (reações físicas) que geram a tensão muscular.

Estudos comprovam também que fatores endócrinos e nutricionais afetam consideravelmente na promoção desses quadros dolorosos. A má ingestão hídrica, fatores hormonais, alimentação pouco saudável são fatores predisponentes às cefaleias.

Como tratar as Cefaleias Tensionais através da Terapia Manual?

cefaleias-tensionais-4

A Terapia Manual (TM) vem sendo muito utilizada no tratamento de cefaleias tensionais, utilizando as técnicas manuais com finalidade terapêutica, aplicadas sobre o tecido muscular, ósseo, conjuntivo e nervoso favorecendo reações fisiológicas que equilibram e normalizam diversas disfunções nesses tecidos e suas reações dolorosas.

A TM tem como objetivo no tratamento da cefaleia influenciar a capacidade de reparo ou cura do organismo com a normatização do equilíbrio membranoso através da liberação de micromovimentos do crânio, melhora da drenagem venosa, da compressão nervosa e relaxamento dos tecidos moles.

Entre os benefícios da Terapia Manual estão o alivio da dor, a redução da intensidade, frequência da dor e o aumento do limiar de dor. Promove também através das manipulações, trações, pompagens, alongamentos e liberação miofascial o relaxamento e nutrição dos componentes articulares, melhorando assim a oxigenação no tecido.

A pompagem cervical pode ser utilizada associada ao alongamento de trapézio superior, escaleno, elevador da escapula e esternocleidomastoideo. Durante a pompagem, realiza-se uma tração da cervical no sentido cranial ao tempo em que se lateraliza a cabeça com pequena rotação contralateral.

A tração cervical deve ser realizada com o intuito de promover a mobilização articular, melhora da nutrição do tecido e consequentemente promovendo relaxamento muscular. A tração pode ser realizada no inicio da sessão sendo posteriormente associado com a depressão do ombro contralateral, o que enfatiza o alongamento do trapézio, escaleno e esternocleido.

Outra técnica que pode ser utilizada é a liberação miofascial, que promove os sinais flogisticos, aumentando a temperatura local, hiperemia na pele, maior aporte sanguíneo, facilitação dos fluidos corporais, relaxamento muscular, retirando os pontos-gatilhos que são dolorosos, geralmente hipersensíveis e são responsáveis pela manutenção da contratura muscular desencadeando o processo fisiopatológico da cefaléia tensional.

A liberação miofascial promove a histerese (quebra tecidual gerando energia em forma de calor proporcionando a movimentação do tecido, desfazendo as barreiras até que ocorra a liberação da fáscia), essas pontes ocasionam a tensão muscular.

Um bom diagnóstico diferencial conduz o terapeuta à conduta correta, identificando a musculatura afetada, assim como o tipo de ponto doloroso. O ponto satélite, ponto doloroso que irradia dor e promove pontos secundários, são áreas de atuação primordial para tratamento eficaz do quadro álgico.

Devemos ter alguns cuidados e precauções para manipulações em pacientes que apresentam compresão neural, por isso a importância de uma boa avaliação.

Outro cuidado que devemos ter ao manipular é a presença de sintomas como: náuseas, vômitos, vertigem, oscilação de pressão arterial, assim como presença de trombos e dermatites ectópicas.

Conclusão

As cefaleias tensionais têm acometido um grande percentual da população, fatores etiológicos como rotina estressante, ansiedade, depressão, posturas errôneas que levam a tensão muscular são cada vez mais frequentes na sociedade.

A terapia Manual é um recurso eficaz no tratamento das cefaleias tensionais diminuindo a intensidade da dor e frequência com que ela acomete, melhorando assim a qualidade de vida das pessoas acometidas.

A resposta ao tratamento com a terapia manual vem crescendo assim como estudos e comprovação cientifica de sua eficácia.

Written by Emanuelle Lacerda

Emanuelle Lacerda

Emanuelle Lacerda é Fisioterapeuta formado pela FAFIS, Pós-Graduada em Fisioterapia Neurofuncional (ISBA) e Doutoranda em Saúde Pública (UCES). Possui Formação Completa em Pilates, Pilates Avançado, Pilates Clinico, Pilates em Suspensão, Pilates em Suspensão Avançado, Circuitos Funcionais e Treinamento Integrado Mormaii Fitness, Formação em RPG. Docente e Coordenadora do Curso de Fisioterapia da FAZAG.

1 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *