Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Sabe aquela dor aguda, que acontece após uma torção no tornozelo? Seus pacientes já procuraram atendimento reclamando de incômodos nesta região? A entorse do tornozelo é um movimento brusco, que leva a um estiramento ou ruptura de ligamentos de uma articulação. Esse tipo de entorse é a lesão mais comum no universo da patologia musculoesquelética (MOREIRA E ANTUNES, 2008). 

O tornozelo é a articulação entre o pé e a perna e é composto por 3 ossos: tíbia, fíbula e tálus. Os pacientes costumam menosprezar essas lesões, que podem causar sintomas locais e até sequelas permanentes.

A entorse de tornozelo é uma causa comum em adultos jovens, (15 a 35 anos) e atletas. Segundo Silva et al (2012) a torção de tornozelo é uma das doenças mais frequentes nas emergências ortopédicas. Ocorre com maior frequência nos atletas de futebol, basquete e vôlei, correspondendo cerca de 10% a 15% de todas as lesões do esporte.

Em uma entorse de tornozelo as estruturas anatômicas da articulação costumam ser afetadas, como músculos, tendões e, em casos mais graves, ossos e cartilagens, podendo evoluir para complicações ligamentares.

Em estado normal, os ligamentos, que são estruturas elásticas, esticam até ao seu limite, voltando, em seguida, à sua posição inicial. Os ligamentos dispõem de uma amplitude específica de movimentos que permitem a estabilidade das articulações.

Os ligamentos são constituídos por tecido conjuntivo fibroso esbranquiçado (contém colágeno) e possuem a função de unir dois ou mais ossos, protegendo e estabilizando as articulações do corpo e agindo como amortecedores.

Neste texto vamos apresentar tudo o que você precisa saber sobre a entorse de tornozelo, quais as principais causas, seus sintomas e a forma mais adequada para um tratamento com resultados promissores. Continue a leitura!

Classificação das Lesões dos Ligamentos

Dependendo de quão afetado está o ligamento e o grau de danificação, uma entorse de tornozelo pode variar de leve à grave. É comum surgir dor e inchaço, contudo, é possível caminhar com pouca dor. Em uma entorse mais grave, pode ocorrer sensibilidade e contusões ao redor do tornozelo, provocando dificuldade na locomoção.

Grau I (leve): ocorre estiramento ligamentar. Geralmente o paciente deve sentir melhora após três dias, com quadro assintomático ou pouca dor tecidual. 

Grau II (moderado): ruptura parcial com frouxidão leve e dor moderada, instabilidade, edema e sensibilidade.  

Grau III (grave): ruptura completa, dor forte, com edema local, frouxidão significativa e, na maioria das vezes, a articulação fica instável.

Como ocorre a Lesão no Tornozelo

Na lesão do tornozelo, ocorre acidentalmente uma inversão do pé com flexão plantar, principalmente ao pisar em algum degrau ou superfície irregular, utilizando calçados instáveis, como salto alto ou até mesmo queda da própria altura. 

Este movimento anômalo proporciona uma lesão que se inicia no ligamento talofibular anterior, e pode progredir para uma lesão do ligamento calcâneofibular, com o aumento da energia do trauma (RODRIGUES E WAISBERG, 2008).

Sinais e Sintomas da Entorse de Tornozelo

Na entorse de tornozelo, ocorre dor no pé, de leve a muito intensa

Geralmente, o tornozelo começa imediatamente a inchar e pode surgir equimose e derrame articular na área do edema. A dor aumenta com os movimentos e é sensível ao toque. 

Quanto mais grave a lesão, mais visível ficam os sinais.

Quais são as principais causas da Entorse de Tornozelo?

São muitas as causas, e alguns fatores podem envolver o surgimento da lesão, como:

  • Movimentos bruscos com os pés;
  • Uso de calçados inadequados, como os saltos muito altos;
  • Realização de atividade física sem preparo;
  • Ligamentos frouxos;
  • Caminhadas em piso irregular;
  • Músculos fracos;
  • Lesões nervosas;
  • Lesões anteriores.

Diagnóstico

O profissional ortopedista, geralmente, realiza o diagnóstico médico da entorse de tornozelo, pois é o mais indicado para entregar o resultado e efetivar uma análise fidedigna da lesão, por meio da história clínica do paciente, exames complementares que auxiliam no diagnóstico exato e preciso da torção. 

Alguns deles são:

  • Raio X: permite que o médico obtenha imagens com detalhes da região onde ocorreu a lesão, ajudando o especialista a excluir a hipótese de ter acontecido uma fratura em algum osso do pé ou localizado no próprio tornozelo, permitindo assim, um diagnóstico assertivo e completo;
  • Ressonância Magnética: o especialista solicita quando há uma lesão mais grave, onde envolve fraturas no osso articular;
  • Ultrassonografia: permite a observação do ligamento do tornozelo enquanto o move, sendo possível visualizar detalhes da lesão articular;
  • Tomografia: é útil para uma melhor avaliação do padrão da fratura.

Tipos de Tratamento para Entorse de Tornozelo

A fisioterapia é o método mais eficaz de tratamento para entorses, principalmente quando se refere à reeducação proprioceptiva, pois evitará a instabilidade e novas fraturas.

O tratamento pode ser tanto conservador como cirúrgico. A escolha depende da gravidade da lesão. O tratamento conservador vai depender do tipo e severidade do traumatismo. 

Segue o protocolo conservador:

  • Repouso: Não apoiar com o membro fraturado;
  • Gelo: Colocar no local da lesão por 15 minutos a cada 2h nos primeiros dias;
  • Compressão: Bandagens ou meias elásticas ajudam no controle do edema;
  • Elevação: Manter o membro acometido na altura do coração;
  • Imobilização: Bota imobilizadora ou tala gessada sempre no atendimento inicial;
  • Medicações: Para controlar o edema e aliviar a dor nos primeiros dias do trauma, como anti-inflamatórios e analgésicos.

Na minoria dos casos o tratamento é cirúrgico. Porém, dependendo do tipo de fratura, pode ser necessária mais de uma intervenção cirúrgica, chamada de reparo do ligamento

Quando a cirurgia é realizada na fase crônica, com pacientes com histórico de entorse de repetição, costuma ser feita através da fixação do ligamento lesionado do tornozelo aos ossos, através de implantes como as âncoras, que podem ser metálicas ou de material bioabsorvível.

Conclusão

Nota-se que a partir dos artigos estudados existem diversos tipos de tratamento de lesões de tornozelo, como o uso de talas, imobilização com órtese funcional, bandagem elástica, e outros. O critério de intervenção após uma entorse de tornozelo pode ser escolhido de acordo com o tempo do acontecimento.

É provável que haja um entendimento na literatura quando se seleciona as melhores práticas para o tratamento de lesões na região, entendimento esse que avalia que, quanto mais rápido for a escolha do tipo de tratamento, mais rápida será a recuperação do paciente.

 

Referências Bibliográficas

MOREIRA, Vitor; ANTUNES, Felipe. Entorse de tornozelo do diagnóstico ao tratamento perspectiva fisiátrica. Acta Med Port. 2008. Disponível em: http://www.actamedicaportuguesa.compdf2008-21/3/285-292.pdf

SILVA, Mônica Ana. A cinesioterapia na entorse de tornozelo grau I. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialista em Psicomotricidade) – Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro, 2001.

MacAuley D. Ankle injuries: same joint, different sports. Med Sci Sports Exerc 1999;31:S409-11.

https://www.saudebemestar.pt/pt/clinica/fisioterapia/entorse-do-tornozelo/

https://www.saudebemestar.pt/pt/clinica/ortopedia/entorse-de-tornozelo/

https://www.hong.com.br/torcao-de-tornozelo/

http://www.drgustavomaximiano.com.br/fratura-do-tornozelo-ortopedista-especialista